Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA: Dr. Luiz. Sabe, a gente é um casal aberto e dialogamos bastante a respeito da divisão de tarefas e das funções de cada um dentro de casa. Temos dois filhos sendo a menor ainda um bebê. Fico muito tempo com as crianças e ele trabalha várias horas por dias. Como o senhor vê isso? Por que é, ou não, tão fundamental a participação dos pais nos cuidados e na divisão de tarefas em casa? Isso favorece o quê?

RESPOSTA: Não é fundamental mostrar o pai cuidando da casa como o é

Conversando com Dr. Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA: Dr. Luiz. Quero muito que o meu namorado faça terapia antes de casarmos. Já estamos juntos há mais de seis anos e acho que ele precisa esclarecer melhor o que o prende para se desenvolver mais como profissional e também como homem num todo. O que ele pode fazer para sair desse tipo de situação? O que o homem pode fazer para se automotivar e viver bem não importa em que fase da vida ele esteja?

RESPOSTA: Nos trabalhos de psicoterapia especializada nas questões de gênero, no caso masculino, o Gender Group

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA: Meu nome é Cristiane e venho lendo muito sobre seu trabalho, principalmente relacionado às crises dos homens. Realmente é incrível admitir que os homens sabem mais sobre as mulheres do que o contrário.

Estou tendo um problema muito sério com meu noivo. Ele tem 36 anos, e morava em uma cidade chamada I. S.. Durante muitos anos ele vem tentando sair para poder trabalhar com o que gosta realmente. Recentemente ele se mudou para São Paulo e está trabalhando finalmente com o que gosta. Ele é jornalista e vem de uma

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA: Olá, Dr Luiz, bom dia. Tenho 23 anos e sou casada há oito anos. Meu marido tem 27 anos e nossa relação sempre foi de brigas desde namorados, ele sempre queria me dominar. Quando casamos ele chegou a me agredir, algumas vezes não tirava sangue, mas ficava roxo ou dolorido. Faz uns anos que ele não mim bate, mas diz palavras que ferem. Eu era a mulher perfeita durante seis anos. O que ele queria eu fazia. Eu era como um cachorro. Ele é um dono de casa excelente. Tenho um

Conversando com o DR. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA: Boa noite, estava lendo sua matéria. Incrível, mas vivi com minha ex e com as crianças dela durante 8 anos. Hoje as meninas estão com 10 e 12 anos e estamos separados há 5 meses. Ela tem um namorado e me proíbe de ver as crianças, sendo que também temos uma filha de 6 anos da nossa união. Não sei o que fazer, pois sinto muita falta delas e sei que cada dia esta me distanciando mais. Obrigado, M.

RESPOSTA: M. é dramática a tua situação. Ficar longe das suas filhas

Conversando com o DR. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA: Dr. gostaria de um conselho. Estou namorando uma pessoa uns 15 anos mais velha que eu. Ele é separado e eu sou solteira. Acha que poderia dar certo? A situação é a seguinte: tenho meu ex que vive querendo estragar meu relacionamento. Esse é um homem é sofrido, pois a ex o traiu. O que devo fazer para mostrar que sou diferente pois é inseguro. Agora veio com uma estória que ele tem uma amiga de 27 anos e ele vive dando conselhos à ela…ela disse que não quer ele pois

Revista Claudia

Não é só a gente que se angustia por não saber como lidar com o companheiro em alguns momentos da vida a dois. Eles sofrem do mesmo mal. Um estudo recém concluído pela universidade de São Paulo apontou as três principais inquietações masculinas em relação a nós. Eles querem, mas nem sempre conseguem: se apaixonar intensamente, aprender a romper relacionamentos ruins e lidar bem com o dinheiro do casal.

“Os homens desejam ser conquistados pela mulher. Quando isso não ocorre ou descobrem que quem está ao lado deles não os fará felizes como imaginavam, ficam profundamente aflitos. Por

Revista Mais Bases – 07/2013

A forma como cada pessoa reage à passagem do tempo depende de como ela cuida do seu corpo e da sua mente

Há uma determinada fase da vida em que homens e mulheres começam a perceber a passagem do tempo no corpo e na mente. Sentem que muitas ambições que tinham na juventude não foram realizadas e que a idade atual já não lhes permitirá realizar algumas delas. É como se a pessoa percebesse que não somente a vida tem um fim, mas que mais da metade da vida

Site Abílio Diniz– Nancy Campos – maio/2013

Para corrigir os próprios defeitos é preciso primeiramente aceitá-los, por meio do autoconhecimento, da reflexão e das críticas alheias, segundo o psiquiatra e psicoterapeuta Luiz Cuschnir.
Idealizador e coordenador do GENDER GROUP do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo e do IDEN (Centro de Estudos da Identidade do Homem e da Mulher), o especialista defende que para nos aprimorarmos devemos abraçar todos os aspectos do nosso ser e, assim, trazer à tona o melhor de nós. Confira a entrevista:

Pergunta: Qual o

Revista Villa Mariana – 05/2013

Felicidade, amor, trabalho e, talvez o mais importante, liberdade. Como homens e mulheres se satisfazem individualmente e como se relacionam no mundo de hoje? Você sabe?

Conversamos com o doutor Luiz Cuschnir, médico psiquiatra e um dos mais respeitados especialistas brasileiros quando o tema são homens, mulheres, casais e família. Mestre em Psiquiatria pela USP e especializado em Psicodrama em São Paulo, na Argentina e Estados Unidos, Cuschnir é autor de nove livros, consultor de diversos veículos da grande mídia, idealizador e coordenador do Gender Group® do Instituto de

Site Abílio Diniz – Mariana Uchôa – janeiro/2013

Muitas vezes escutamos a frase: “os olhos são a janela da alma”. Mas você sabe o significado dessa expressão? De acordo com o psicólogo, idealizador e coordenador do Gender Group do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, Luiz Cuschnir, o olhar abre um atalho para a comunicação, sem necessidade de outro recurso ou órgão sensorial. E dessa forma, é possível acessar algo mais profundo dentro das pessoas. “O olhar pode até contar com um complemento, como uma mímica facial ou uma postura corporal, mas, geralmente, ele é

Patricia Taufer – Jornal da Globo – 12/01/2013

Em cinco anos, consumo de cosméticos para homens cresceu 163%. Brasileiros já gastam, juntos, US$ 4 bilhões por ano.

De olho em um mercado que não para de crescer, a indústria dos cosméticos está lançando produtos só para homens.

Há dez anos, o consultor Alexandre Moura vende produtos de beleza. A clientela era só de mulheres. Hoje, 30% do faturamento vêm graças aos homens. Em cinco anos, o consumo de cosméticos para homens cresceu 163% no país. Os brasileiros já gastam, juntos, US$ 4

Rita Trevisan e Louise Vernier – UOL – 11/01/2013

Um erro frequente das mães que se separam é deixar que os filhos passem a dormir com elas

É comum que a separação do casal tenha um grande impacto na vida dos filhos. Porém, algumas atitudes dos adultos podem agravar ainda mais a situação de desconforto que as crianças e jovens naturalmente experimentam.

O problema é que essa inversão de papeis pode prejudicar o desenvolvimento da criança ou do adolescente, que se encarrega de tarefas que, muitas vezes, não condizem com a sua

Portal Vital | 01/2013

E o príncipe chegou em seu cavalo branco, salvou a princesa, e eles viveram felizes para sempre! A história é linda, mas será que atualmente as mulheres ainda sonham em encontrar o príncipe encantado?
Para esclarecer essa dúvida, o Portal Vital conversou com o psicoterapeuta e psiquiatra Luiz Cuschnir, autor do livro Como mulheres poderosas se tornam mulheres conquistadoras e coordenador do Centro de Estudos da Identidade do Homem e da Mulher (Iden).

A diversidade de perfis

Hoje, podemos encontrar diversos tipos de relacionamento. Algumas mulheres curtem o momento

Emiliano Urbimr – Revista Alfa – 01/2013

Quais são os problemas que levam os homens à terapia. E aonde ela pode fazê-lo chegar.

Amor e Sexo

Separações, traições e insatisfação sexual: temas recorrentes na terapia

Nós temos um problema. Nós homens. Em algum ponto entre a invenção da pílula e da internet, o mundo masculino se tornou um lugar mais inóspito para se viver. Estamos perdidos em um limbo, no qual os modelos anteriores ficaram obsoletos e os novos ainda não foram definidos. Você não quer ser dono nem capacho

Diário da Região S. José do Rio Preto (Revista Bem-Estar) | 11/2012

Em seu novo livro, o psicoterapeuta Luiz Cuschnir traduz a mulher do século 21 como poderosa e conquistadora, mas também sensível e repleta de dilemas

Conhecer e dominar se próprio “eu”, ser reconhecida por sua competência, seja ela em um escritório ou na cozinha. A mulher que identifica seu potencial fica mais segura e, por isso, consegue buscar e realizar seus desejos.

O problema segundo o psiquiatra e psicoterapeuta Luiz Cuschnir de São Paulo, autor do livro “Como Mulheres Poderosas

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA O que não pode faltar em um namoro para ser bom e completo?

RESPOSTA Não pode faltar de jeito nenhum o respeito ao outro, a clareza de que é uma outra pessoa que teve e tem uma história de vida diferente dela. Depois que o outro não é posse, não foi adquirido para satisfazer o que ele ou ela tem de ideal de namorado ou namorada. Que a admiração e a comunicação dela para o outro precisa acontecer regularmente – todos precisam ser valorizados, ter a auto estima mantida e sentirem-se importantes para

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz, em tempos onde é comum encontrarmos relacionamentos instáveis e sexo sem compromisso, qual a importância do afeto e da cumplicidade de um namoro estável? Tenho 38 anos e me considero um homem bem sucedido. Até gostaria de ter uma relação estável, mas tenho tantos compromissos profissionais que meus namoros terminam mais cedo ou mais tarde. É comum termos brigas, implicâncias e perco a paciência com elas.

RESPOSTA A manutenção de um relacionamento em longo prazo e a possibilidade de dedicação a uma só pessoa cria um vínculo afetivo mais profundo. A

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz, por favor me ajude a entender o que está ocorrendo. Quando namorávamos, ele insistia em jogar futebol com os amigos em pleno sábado à tarde, o que resultava um namorado sempre cansado para fazer programas mais agitados à noite. Quando eu queria ir ao cinema, ele só reclamava quando era um filme mais deramático ou ” encucado” como ele dizia. Com o tempo, ele amadureceu em vários aspectos, cresceu profissionalmente e hoje está fazendo a segunda pós graduação. Achei que incentivando ele a se interessar por outros assuntos, mais profundos,

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz. Estamos com 28 anos. Casar ou morar junto é um passo importante, né?! Como saber se está na hora? Se estamos na mesma sintonia? Quando é bom um test drive?

RESPOSTA A sintonia se dá quando cada um está consciente que haverá a necessidade de uma dedicação ao outro e abdicar hábitos que possam não coincidir e atrapalhar a vida do outro. Diziam que para conhecer alguém precisa-se comer um saco de sal juntos. Leva tempo para saber quem é o outro. Primeiro porque se enxerga o outro pelas próprias lentes.

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz, não me sinto segura em seguir o meu namoro pelo que estou percebendo do homem que estou saindo há muito tempo. Me pergunto, será que ele pretende continuar saindo para a balada sozinho e voltando tarde da noite? Quer adquirir bens em conjunto ou vai seguir a regra “O que é meu é meu, o que é seu é seu”? Não sei se ele tem a intenção de ter filhos comigo, mas não consigo falar desses assuntos.

RESPOSTA Assuntos delicados sempre são duvidosos, pois podem magoar o outro se não forem

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz. Sou um homem de 35 anos muito focado no que quero e ao mesmo tempo levo muito em conta o que as mulheres esperam de mim. Sei que não preciso me definir mas me intriga se o conceito de macho alfa e macho beta são conceitos realmente utilizados na psicologia, ou são apenas uma construção social? Como a ciência vê essa definição? O macho alfa tem mais sucesso na vida afetiva ou profissional?

RESPOSTA São conceitos que diferenciam atitudes diversas, no caso de homens. Principalmente são relacionados à atitude para com

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz, minha filha é casada e tem filhos. Tem todos os atributos para ser boa esposa e mãe, mas insiste em criar situações que a tornam uma pessoa de difícil convívio. Tudo é culpa dos outros. Quando está com uma turma de amigos, arruma confusão e se mantém como a problemática do grupo. Como ela poderia começar a sair dessas situações? Qual o primeiro passo? Ela me escuta muito. Na prática, o que ela pode fazer? Como reagir e começar a assumir as responsabilidades?

RESPOSTA A conscientização que ela faz pode vir

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Como você vê o homem moderno? Parece que vivo em um mundo muito diferente do que fui educada e ao mesmo tempo, para eu me relacionar quero homens que estejam atualizados à minha condição de uma mulher ativa e bem sucedida. Conte um pouco como foram os seus estudos a respeito desse assunto e como você os vê atualmente.

RESPOSTA As transformações masculinas inicialmente vieram a reboque do Feminismo com a mulher se posicionando diferentemente do que ocorria nas décadas anteriores. A insatisfação e o desconforto masculino tomam lugar para surgir o que denominei

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Meus filhos estudam em uma escola que segue os preceitos religiosos que temos, mas, por outro lado, há comportamentos que nos incomodam muito como casal responsável pela educação dos nossos filhos. Parece que ir para a Disney e ter os últimos jogos de computador é uma maneira deles fazerem parte da turma. Como fazer para que os filhos não sejam seduzidos pelos “bombardeios” desses valores e das propagandas na TV, revistas, sites, etc.? Me contam que na escola, muitos jovens são discriminados ou excluídos dos grupos por não terem o último modelo

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir

PERGUNTA Dr. Luiz, acho que meu marido tem problemas sérios e meu filho está seguindo o mesmo caminho. São muito parecidos. São muito inconstantes no que se refere a comportamento, desconfiados, ora muito afetivos ora agressivos, principalmente quando se trata de uma relação amorosa. Eu já estou acostumada mas gostaria de entender melhor o que é uma doença de personalidade e se isso pode estar relacionado com os problemas amorosos da pessoa.

RESPOSTA Primeiro a definição de personalidade é importante. Ela se expressa pelos traços emocionais e de comportamento de uma pessoa. Na verdade como ela se

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz. Venho de uma família com poucos recursos. Meus pais sempre trabalharam em uma confecção que serviu para me assegurar um educação boa, mas falta para mim muita orientação em como ser um homem que possa acompanhar o que as mulheres estão querendo hoje. Como?

RESPOSTA Acredito em transformação e em desenvolvimento pessoal, senão não poderia ser um psicoterapeuta. Já acompanhei homens que aprenderam uns com outros um jeito de ser e puderam aplicar isso numa complementação melhor e atender as necessidades da sua companheira. Mas isso demanda um trabalho de empenho

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz, sou uma mulher sensível de 43 anos, separada e com um namorado há quase 10 anos que é um homem difícil de agradar e me disseram que estou sofrendo uma violência psicológica no meu relacionamento amoroso – como identificar e como resolver? Não posso contar mais detalhes, mas tenho muito medo dele.

RESPOSTA Há certos comportamentos que indicam que pode haver violência emocional no relacionamento como o medo de ser rejeitada fazendo com que se prepare constantemente para não errar, palavras com que um se dirige ao outro perdendo o respeito,

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz, por favor me diga porque o meu marido, que já tem quase 40 anos, vive procurando novos desafios e não sossega. Ele diz que não quer parar. Como posso ajudá-lo?

RESPOSTA A crise de identidade implica numa necessidade de transformação, mas também resulta dela. Um homem em crise está muito incomodado e não fica parado, busca saídas. A crise também se revela em mudanças de fases da vida, mas na crise de identidade ela ocorrerá de acordo com os questionamentos que faz em relação ao como se vê como homem e

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz. Tenho 51 anos e nunca consegui falar com a minha mulher de dinheiro. Não achava que era um assunto do casal e sim meu. Isso que o meu pai me ensinou mas vejo meus filhos lidando com esse assunto diferentemente com suas esposa e namorada respectivamente. Por que muitos casais não gostam de conversar sobre o tema dinheiro? Ele é um tabu?

RESPOSTA Quando o tema está colocado como tabu, é porque não há uma confiança em que o outro vai saber lidar com o dinheiro da forma que vê que

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz, estou a ponto de me separar de um casamento de 18 anos. Temos dois filhos que estão se encaminhando regularmente e acho que tudo vai dar certo com eles. Mas minha esposa não se propõe a fazer nada que contribua comigo e com a família como um todo para termos melhores condições de vida. Não trabalha, é desregrada, tem uma série de vícios e atitudes que só a enfraquece e desvaloriza. O que leva uma mulher à inércia de dar desculpas pelo que ela não realiza, como se nada pudesse

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Acabei de casar e olho para o relacionamento dos meus pais e meus sogros e não quero nenhum dos dois como exemplo. Na sua opinião, quais os erros mais comuns que os casais mais jovens cometem em relação à vida financeira dos dois? E os mais velhos?

RESPOSTA Os mais jovens tendem a não pensar que a vida profissional do outro sendo fortalecida, trará benefícios futuros para ambos. Se pensarem somente na própria carreira futura, sem levarem em conta que o relacionamento pode se deteriorar se não for cultivado, estarão correndo um risco

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA O dinheiro tem significados diferentes para o homem e para a mulher? Não entendo como o meu marido só pensa em economizar e não deseja nenhum prazer na vida. Quando a gente era solteiro, nos dávamos bem nessa área. Pensei que íamos continuar assim, mas tudo mudou É possível para uma pessoa adulta mudar o seu comportamento em relação ao dinheiro? Ou sua personalidade está formada e dificilmente ela conseguirá fazer mudanças drásticas?

RESPOSTA Não dá para se dizer que há uma grande diferença como um todo. Particularizar somente pelo gênero seria uma

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz. Tenho 46 anos e estou divorciada há 5. Acho que o dinheiro foi responsável pela minha separação e pode trazer felicidade para o casal. Me sinto frustrada, deixei de realizar meus sonhos, não consegui construir um lar e vejo indiretamente que os problemas financeiros estão na base do fim do meu relacionamento?

RESPOSTA Se ele é responsável pela separação, se é a causa dela, é porque o projeto comum não se estabelecia a contento. O dinheiro é um dos combustíveis da relação e interfere mais ou menos na medida em que

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Estive a ver as perguntas frequentes da coluna daqui de Portugal e gostaria de expor o meu problema. Namoro com um rapaz há 5 meses. Na primeira semana ele me perguntou se eu tinha namorado com alguns dos meus amigos atuais. Eu disse que não quando na verdade tinha namorado com um, mas que para mim isso não era importante e, mais tarde, no fim desse primeiro mês, eu acabei por lhe contar que sim, que tinha namorado por um mês com um amigo meu. Ele levou a mal e queria terminar

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz, meu namorado está sempre fazendo esporte. Parece que tudo é menos importante. Às vezes deixamos de fazer alguma coisa porque ele diz que está ficando muito magro, perdendo músculo. Parece que ele se preocupa mais com a imagem dele do que eu. Obrigada pela atenção.

RESPOSTA O homem hoje cuida mais da sua aparência e demonstra nitidamente o seu desejo de ser admirado por isso. Ao mesmo tempo, o homem moderno é capaz de deixar bem claro o que espera de um relacionamento. Quando está com uma mulher, ele faz questão

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. não sei porque mas confesso que projeto nos homens um desejo de ser protegida por homens fortes ou poderosos. Mas também penso que para eles é importante isso, não?

RESPOSTA Sem dúvida, essas figuras correspondem imaginariamente a homens de sucesso ou com muita coragem. Esse relacionamento que a atrai pode indicar uma necessidade de segurança mais ampla em sua vida. Os bombeiros são figuras socialmente representativas na sociedade americana, mas os engravatados podem atrair muito elas. Quanto mais inacessível ele for, mais este homem pode atraí-la. Poderíamos colocar jogadores de futebol ou

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz. Vou completar três anos de casamento e ele só não sabe que precisa dividir as responsabilidades com a mulher, Tenho 33 e cuido do nosso filho de um ano. Ele é uma pessoa ótima, trabalhador, honesto, mas fico com toda a responsabilidade de casa e da família. O que preciso mostrar a ele de que há mais coisas para um homem fazer?

RESPOSTA Sugiro que a conversa entre vocês mostre características importantes do homem moderno. Sempre aponto as transformações que ocorreram na sociedade onde a mulher ocupou espaços profissionais e econômicos

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz, quero envelhecer com saúde e por isso pratico atividade física. É importante para não enferrujar. Cuido da saúde e vou periodicamente ao médico. Faço os exames de rotina “direitinho”. Sou casado há nove anos e pai de dois filhos. Sei respeitar a minha mulher e dou mais valor a ela. Vejo pelo meu pai que era centralizador. Era ele quem trabalhava, quem fazia as contas de casa, tudo ficava centralizado nele. Hoje a minha mulher tem a mesma força e presença. Mas às vezes me pego com dúvida se vou

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz, acabei de dar a luz de um menino que era muito esperado por nós dois já que tivemos que fazer um tratamento para eu engravidar. Graças a Deus deu tudo certo e estou totalmente dedicada ao meu novo papel de mãe. Não consigo sentir-me segura em deixar que o meu marido se encarregue do nosso filho. As mães centralizam esses cuidados? É cultural ou natural isso acontecer? Como são de verdade as outras mães, elas querem compartilhar?

RESPOSTA  Como a mãe tem esse preparo durante a gravidez e passa a

Conversando com Dr. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA Dr. Luiz. O meu marido era cheio de ideias e projetos ambiciosos davam muita satisfação quando chegava lá. Não sei o que aconteceu com ele, tudo mudou depois de ter que fechar o restaurante que estava dando prejuízos. Fizemos tanto sacrifícios e depois que esse negócio terminou parece que ele desistiu. É o segundo casamento dele e a ex dele interfere demais na relação com os filhos. Quais são os principais momentos da vida de um homem nos quais ele perde, ou sente menos motivação, para seguir tocando sua vida? Por que

Simone Cunha – UOL – 07/09/2012

Para que a relação não acabe no primeiro encontro, aja com cautela

Para você, o encontro foi incrível e você não vê a hora de marcar o segundo. Apesar de toda a sua ansiedade e expectativa, o seu telefone não toca – e você já conferiu se ele está ligado, com a bateria carregada, com bom sinal. Se a pessoa mantém atitudes para que o outro se interesse em marcar o segundo encontro, vai rolar. Mas se inicia este primeiro contato no clima ‘mais ou menos’ para ver

Alexandre Adoni – iG São Paulo | 18/08/2012

Especialistas contextualizam a infidelidade dos famosos e dos mortais

Infidelidade, ao que tudo indica, continua sendo um tremendo assunto. Nos últimos dias, as notícias de que Kristen Stewart havia traído Robert Pattinson e tentava uma reconciliação e de que Giovanna Ewbank havia reatado com Bruno Gagliasso, depois dele supostamente ter “pulada a cerca”, inundaram os jornais e revistas de fofocas.

Perdoa não perdoa? Traiu ou não traiu? Faz as pazes ou não? Homem pode trair, mulher não? Ou vice-versa? O Delas foi conversar com

Revista Claudia por Adriana Negreiros – julho /2012

Em novo livro, psiquiatra ensina como usar o poder que só as mulheres têm para dominar o mundo, o que significa conquistar a si mesmas..

Quando pensa em uma mulher conquistadora, o que vem à sua cabeça? Uma pesquisa de imagens em site de buscas dá pistas sobre o senso comum formado a esse respeito: a foto de uma magra e peituda de lingerie sexy e olhar matador divide espaço com a de uma executiva de salto agulha pisando no peito de um pobre coitado deitado a seus pés. Esqueça. Em Como

Revista Lola por Luciana Ackermann- julho /2012

As mulheres mais realizadas são as que não abrem mão de suas características femininas – o que inclui o desejo de ter suas ações legitimadas pelo olhar dos homens. É o que defende o psicanalista Luiz CuschnirSe fosse possível medir a distância que separa o que vai pela cabeça dos homens e das mulheres, Luiz Cuschnir, de 62 anos, seria um forte candidato a dono da régua. Idealizador e coordenador-geral do GENDER Group, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, o paulista é um expert na arte de devassar,

Bruna Pinheiro | GAZETA – julho/2012

Direitos iguais até nas datas comemorativas. Para quem não sabe, assim como as mulheres, os homens também têm um dia especial em sua homenagem. Hoje, 15 de julho é o Dia Internacional do Homem e o que se vê surgindo é um novo tipo de homem, cada vez mais longe do mítico “machão”.

Uma das razões para a criação desse dia é a de levantar a autoestima masculina, já que eles estão tendo que enfrentar o avanço e evolução das mulheres em diversos setores, desde o mercado de

Isabella D’ercole e Maria Laura Neves – Claudia – 06/2012

Quatro casais contam por que assumir a frustração e encarar as adversidades é importante para a felicidade – e a longevidade – dos relacionamentos

Cinderela não sabe que é princesa. É uma faxineira americana que tem um caso com o príncipe, engravida dele e vira mãe solteira. Chapeuzinho Vermelho é uma jovem periguete. Branca de Neve ganha a vida como professora de uma escola primaria e é acusada de homicídio. A madrasta dela, a Rainha Má, é a prefeita da cidade e é a única que sabe a verdadeira origem

Mariana Timóteo da Costa – O Globo – 29/05/2012

Distúrbio hormonal que atinge entre 3% e 8% das mulheres em idade reprodutiva põem  saúde mental em risco.

A cultura pop de Rita Lee aos Raimundos; de Pedro Almodóvar e Woody Allen às “mulheres desesperadas” da TV já lida há muito com as alterações de comportamento típicos do sexo feminino. O trabalho da ciência para explicar de quem é a culpa de transtornos como a temida TPM (tensão pré-menstrual) não tem  fim. Sabe-se que a quantidade e as variações, ao longo do mês, dos hormônios que circulam pelo corpo da mulher

Alessandra Oggioni -10/05/2012 – Site IG

Para preencher o vazio que fica na casa e no coração quando os filhos saem de casa vale (quase) tudo: trabalho voluntário, esporte, romance e atividades de lazer. Só não pode é deixar a depressão tomar conta

A vida acaba quando os filhos saem de casa? Ou ela está apenas começando?

Sensação de casa vazia, refeições silenciosas, quarto sem uso. Em meio a este cenário, muitas mães associam a saída dos filhos de casa com a perda daquilo que consideram seu papel principal na vida: a maternidade.

Previna-se: não seja uma mãe “desempregada”

O

Raquel Paulino – iG São Paulo – 05/05/2012

Autoconhecimento e maturidade são essenciais para encarar a realidade da vida a dois

Imagine viajar para curtir o calor da Flórida e, ao sair do avião, descobrir que foi levada aos Alpes Suíços. Mesmo achando os dois destinos deliciosos, o choque com a mudança é brutal, já que nem roupas adequadas para o clima local você tem. É mais ou menos essa a sensação de muitos recém-casados, que idealizam um conto de fadas para depois do “sim” e, com a chegada da rotina e das contas a pagar na volta da lua-de-mel,