Dependendo das expectativas depositadas na vida a dois, a pessoa fica mais vulnerável à ansiedade e depressão e pode ter até alterações metabólicas

Fernanda Souza e Thiaguinho se separaram após 8 anos de união
Reprodução/Instagram

A atriz Fernanda Souza, 35, e o cantor Thiaguinho, 36, anunciaram a separação na segunda-feira (14), após 8 anos e meio de união. Por meio das redes sociais, o ex-casal explicou o motivo: “Percebemos que nossa relação se transformou numa linda amizade”. E garantiu que seguirá unido “até depois do fim”.

De acordo com o psiquiatra

Notícias.r7 – Jornalista Brenda Marques
Entrevista Concedida – 15/10/2019

R7 – Qual costuma ser a primeiro sentimento de uma pessoa em relação à separação ?

Luiz Cuschnir – Muitas vezes ele é “invisível” …para um deles ou para os dois: a relação está “falindo”, mas não percebem. Pode ser pelas brigas que até estão mais evidentes, mas pode ser pelo desinteresse pelo outro, falta de atração sexual ou pelo “esconderijo” que colocam suas verdadeiras necessidades, às vezes até escondendo de si mesmos.

R7 – Pode-se dizer que nessa situação os envolvidos ficam mais vulneráveis a distúrbios como ansiedade e depressão ?

O tão famoso namoro a distância existe e não é de hoje. Assim como Bruna Marquezine e Neymar, vários casais enfrentam esse problema e passam um longo tempo sem se ver. Vamos entrevistar um psiquiatra para dar dicas de como um relacionamento pode sobreviver a distância e ser bem-sucedido e mostrar a rotina de um casal que namora a distância, como eles lidam e quais os planos futuros para que a união dê certo. Assista!

Se o vínculo é saudável, ou seja, se a proximidade entre os dois ocorre de uma maneira madura e não controladora, a coincidência de experiências fortalece a ligação afetiva

Relacionamento dos campeões Netinho e Talisca, ouro e prata no Pan Lima 2019, levantou a questão; especialista diz que depende da maturidade

Talisca e Netinho moram juntos, treinam juntos e viajam juntos

O casal Netinho Marques, 21, e Talisca Reis, 29, são chamados de casal sensação dos Jogos Pan Americanos de Lima. Os atletas do taekwondo chamaram a atenção não apenas pela perfomance – ele levou ouro, ela prata

Não há como ensinar a forma de escolher e cuidar dos amores. Há de vivê-los e continuar aprendendo sobre si, e assim aproveitá-los para desenvolver a sua experiência na arte de amar. A frase é do psiquiatra Luiz Cuschnir, autor deste livro. Para a criação da obra, ele escutou diversos depoimentos de pacientes, e analisou o que não presenciou nem ouviu, mas que interferiu em anos com eles. Há características do jeito masculino e do feminino de se comportar. Entender o que os homens e mulheres dizem – e sobretudo o que escondem em sua fala –

Denúncia de abuso depende da segurança da mulher em vencer a vergonha

Modo como mulher vai lidar com o trauma depende de sua capacidade de resiliência, que é formada pela qualidade das relações, segundo especialistas

O medo de não ser compreendida leva à demora de denúncia de abuso, segundo os especialistas. E, não tomar uma atitude resolutiva, como fazer uma denúncia ou procurar ajuda de um psicólogo ou psiquiatra, pode acabar “perpetuando o abuso”, de acordo com o psiquiatra Luiz Cuschnir, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo. 

“Tudo dependerá da segurança

Relacionamentos amorosos

MENTALISTAS: Existe maneira tranquila de romper um relacionamento amoroso? Camila Tuchlinski recebe o psicoterapeuta Luiz Cuschnir e o jornalista e escritor Fabiano Rampazzo, autor do livro ‘Manual do Xavequeiro’.

Posted by Metrópole Estadão on Monday, April 16, 2018

MENTALISTAS: Existe maneira tranquila de romper um relacionamento amoroso? Camila Tuchlinski recebe o psicoterapeuta Luiz Cuschnir e o jornalista e escritor Fabiano Rampazzo, autor do livro ‘Manual do Xavequeiro’.

O Canal Relacionando busca trazer o bem-estar através do autoconhecimento e da espiritualidade, além de discutir as questões do Ser Homem e Ser Mulher na atualidade.
Com mais de 40 anos de experiência em Psiquiatria e Psicoterapia com adultos, casais e famílias, o Dr. Luiz Cuschnir se tornou o mais respeitado especialista brasileiro nas questões do feminino e do masculino.
Idealizador e chefe do GENDER GROUP® do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e do IDEN – Centro de Estudos da Identidade do Homem e da Mulher.

Do ponto de vista psíquico, o que é ser mulher?

Sem saber defini-la pois é impossível restringir a uma só visão, arrisco que são tantas quantas as variações que indicariam os tons do Pantone, cartela que se usa para definir as cores. O psiquismo feminino sofre influências enormes do ambiente, que por sua vez estão atreladas à educação que elas recebem, às experiências que vivem ao longo da vida e às condições particulares individuais para enfrentá-las.

Há aspectos em comum? Sim, pode ser, mas ainda de acordo como cada uma pode tomar para si o cuidado com o seu emocional.

– Gostaria que destacasse três generalizações que normalmente escutamos sobre as mulheres e desmistificasse cada uma delas separadamente, por favor. Por que elas são afirmações equivocadas?

1- Mulheres são frágeis e delicadas: esta talvez seja a generalização mais comum e discutida. Uma mulher pode ser sensível, cuidadosa, atenciosa e amorosa mas se manifestar sem tanta delicadeza e muito menos ser delicada. É preciso entender a forma de demonstrar a sensibilidade de maneira individual, nem sempre na delicadeza está o lado sensível de uma mulher.  Falo muito sobre o “poder” feminino residir justamente nos aspectos relacionados a sua identidade como tal no meu livro “Como

Jornal Vitória

*No seu livro “Por dentro da cabeça dos homens”, você fala de diferentes tipos de homens. Quais tipos são esses?

Neste livro falo de vários tipos de homens, já que não se pode dizer que os homens são somente de um jeito. Precisamos utilizar características mais comuns e que conciliem em maneiras de ser que vários podem ter.

Digo isso porque nunca se pode afirmar que todos seriam introvertidos já que temos os que gostam de se expor, pelo menos mostrar quem são para serem reconhecidos.

Outros são mais discretos, chegando a serem introvertidos ou retraídos, que detestam

A ideia é mostrar para a leitora como dá para contornar ou tentar evitar o divórcio quando ela se depara com as seguintes situações: Situações inúmeras podem ocorrer mas levantando alguns desses pontos, tentarei explicar um pouco mais o que pode provocar gatilhos que indicam o caminho destrutivo de um relacionamento que supostamente teria o interesse de ambos que perdurasse.

Mostro também o que pode estar por detrás daquilo que é tão aparente e objetivo, que poderia tomar um rumo menos comprometedor se pudesse ser visto mais amplamente ou profundamente.

Tudo pode ser discutido de uma maneira mais ampla e

Redatora: Ana Paula Costa                                                     Jornal A Tribuna (Vitória, ES)

* Em um artigo, um colunista que explora o universo masculino disse que o homem, no dia a dia, é mais frágil do que aparenta para a mulher. Ainda é um tabu para eles mostrar essa fragilidade?
Essa fragilidade é relativa e como tudo, depende do lugar de onde ela é vista e avaliada. Costuma-se dizer isso em relação ao lidar com a expressão

Alta Frequência

Na segunda hora do programa Alta Frequência da rádio Band News FM, o convidado foi o psicoterapeuta Luiz Cuschnir, confira abaixo sua entrevista:

“…Conta da sua decisão profissional quando resolve ser psicoterapeuta, fala do Masculismo e das questões pertinentes ao estudo dos gêneros, discrimina o entendimento do homem e da mulher não somente da perspectiva sexual mas em relação ao conceito de gênero. Elucida um pouco mais como são os seus estudos e prática profissional para se basear nos seus treze livros e avisa: Está saindo do forno o décimo quarto…”

Entrevista do Dr. Luiz Cuschnir para Revista Máxima de  Portugual – Por Sofia Teixeira

HOMENS À BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS

Numa sociedade que valoriza cada vez mais a sensibilidade e a cooperação, atributos masculinos outrora importantes como a autoridade e a virilidade são agora questionados. Muitos adaptaram-se, outros deixaram de saber quem são. Estarão os homens a enfrentar uma crise de masculinidade?

O psiquiatra brasileiro Luiz Cuschnir estuda e escreve livros sobre este tema há mais de 30 anos. E defende que, olhando para trás a situação para os homens já foi pior. Nos anos 90, a guerra

  1. Queremos saber um pouquinho sobre você, sua carreira e seus livros.

 

Cuschnir por Cuschnir

Eu poderia ter sido engenheiro, arquiteto ou administrador de empresas, mas quando assisti o filme Freud, Além da Alma me fascinei com a Psiquiatria e decidi meu destino profissional. De repente, aos 17 anos, me vejo longe da família, cursando medicina na Faculdade de Ciências Médicas de Santos, mas ao invés de me dedicar apenas à psiquiatria, resolvi estudar todas as matérias médicas. Queria me preparar mais amplamente primeiro.

Nos meus primeiros anos como psicoterapeuta, atendi um número grande de adolescentes. Nas sessões

(Reportagem especial sobre o prefeito eleito João Doria (PSDB)

Será um perfil com informações sobre as preferências, qualidades e até algumas manias do futuro prefeito. )

Precisamos saber do sr. até que ponto as manias de uma pessoa, como estas citadas, são normais? E quando elas deixam de ser um excesso de zelo e passam a ser doença?

Há  uma tendência a generalizações de diagnósticos psiquiátricos na medida em que as  informações como um todo passam a ser de domínio e acesso público.

Paralelo a isso, informaliza-se termos no sentido de definir algum comportamento mas que somente estão evidenciando traços ou

No seu livro “Por dentro da cabeça dos homens”, você fala de diferentes tipos de homens. Quais tipos são esses?

Neste livro falo de vários tipos de homens, já que não se pode dizer que os homens são somente de um jeito. Precisamos utilizar características mais comuns e que conciliem em “maneiras de ser” que vários podem ter.

Digo isso porque nunca se pode afirmar por exemplo, que todos seriam introvertidos já que temos os que gostam de se expor, pelo menos mostrar quem são para serem reconhecidos. Outros são mais discretos, chegando a serem introvertidos ou retraídos, que detestam

“E VIVERAM FELIZES PARA SEMPRE…”
BOM SERIA SE TODOS OS CASAMENTOS NA VIDA REAL FOSSEM SEMPRE TÃO INCRÍVEIS COMO OS DOS FILMES. SÓ QUE FORA DE HOLLYWOOD
A GENTE TEM DIAS BONS, DIAS RUINS E DIAS EM QUE BATE AQUELA VONTADE DE DESISTIR. MAS, ANTES DE JOGAR A TOALHA, QUE TAL PARAR, RESPIRAR FUNDO
E VER SE TEM JEITO DE VIRAR ESSE JOGO?
RAFAELA POLO

AQUELA HISTÓRIA DE QUE O CASAMENTO SÓ TERMINA QUANDO “A MORTE OS SEPARE” NÃO É VERDADE.
Nem todo mundo tem final feliz. De acordo com o IBGE, nos últimos 30

A ideia é mostrar para a leitora como dá para contornar ou tentar evitar o divórcio quando ela se depara com as seguintes situações:
Situações inúmeras podem ocorrer mas levantando alguns desses pontos, tentarei explicar um pouco mais o que pode provocar gatilhos que indicam o caminho destrutivo de um relacionamento que supostamente teria o interesse de ambos que perdurasse.
Mostro também o que pode estar por detrás daquilo que é tão aparente e objetivo, que poderia tomar um rumo menos comprometedor se pudesse ser visto mais amplamente ou profundamente.
Tudo pode ser discutido de uma maneira

Estamos fazendo uma matéria sobre coisas que não devem ser ditas aos homens pelas mulheres. Isso porque as mulheres e os homens têm seus pontos fracos em temas diferentes, e as mulheres nem sempre percebem que um determinado assunto é um tabu masculino.  
 
Considerando isso, seguem as perguntas abaixo: 
  
* Em um artigo, um colunista que explora o universo masculino disse que o homem, no dia a dia, é mais frágil do que aparenta para a mulher. Ainda é um tabu para eles mostrar essa fragilidade?  
Essa fragilidade é relativa e como tudo,

O número de divórcios cresce a cada ano no mundo, e o Brasil acompanha esta estatística. As pessoas se casam menos, e o casamento passa a ser visto como ultrapassado. Usando como base a experiência que adquiriu ao resgatar inúmeros relacionamentos de situações de crise, Dr. Luiz Cuschnir propõe uma nova perspectiva para a união matrimonial. Levando em consideração as mudanças de rotina da vida contemporânea, ele apresenta uma maneira mais atual de enxergar o casamento e demonstra que é possível mantê-lo saudável, mesmo em tempos de grande individualismo. Ainda vale a pena é um verdadeiro manual

Assista a entrevista do Dr. Luiz Cuschnir sobre estudos da UNICAMP comparativos de mulheres que são donas de casa e as que trabalham fora.

A saúde mental tende a ser protegida de quadros psíquicos muitas vezes em função da realização de atividades profissionais remuneradas.

DETOX EMOCIONAL: Como fugir da relação tóxica, um veneno da modernidade

                                                      Entrevista da revista VIP – outubro, 2015 (Lidice-Bá)

Sua vida pode estar sendo detonada por confusão, estresse, tensão e até dor. Sabe quem pode estar envenenando você? O   irmão, seu chefe, a namorada, o amigo.

COMO DIZIA SARTRE, O INFERNO SÃO OS OUTROS!

Dois mil anos antes de Cristo os gregos já usavam flechas envenenadas. Para criar fumaça tóxica durante os

    Entrevista na Tribuna Judaica (Joel Rechtman)

Luiz Cuschnir diz que é preciso tolerância e empenho para construir o Shalom Bait

Luiz Cuschnir tem mais de 35 anos de experiência como psiquiatra e psicoterapeuta. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos, graduado pela Faculdade de Medicina da USP e especializado em psicodrama, ele é percursor no Brasil do Gender Group, que reúne grupos masculinos e femininos em vivências e debates sobre o que é ser homem ou mulher nos dias de hoje, quando há uma mudança de paradigma no papel de cada um dentro da sociedade e da família.

Nesta

R7 – MULHER (entrevista a Deborah Bresser)

Para os especialistas, as esposas acreditam que a amante desviou o amado e merecem vingança.

O psiquiatra Luiz Cuschnir pontua que, nesses casos, a tentativa de proteger o marido aparece pela relação amorosa que existe entre eles. Ele é protegido da agressividade que surge por parte da esposa, por isso a necessidade de se aliviar a raiva é dirigida à amante.

— Preservar o vínculo que existe nesses casos pode estar evidenciando que há muito o que preservar entre eles, que o relacionamento não se restringe somente àquela traição, há muita coisa que

Entrevista para A Tribuna de Santos (Mauricio Martins)

Entre 40 e 50 anos as pessoas estão na meia idade. Ou seja, boa parte da trajetória foi cumprida, mas ainda há praticamente o mesmo período para viver. Nessa fase, é natural que mudanças ocorram no corpo.

E a mente não fica para trás. Tudo o que vivemos fica registrado em nosso cérebro – um repertório que vai balizar futuras decisões e que também controla (ou descontrola) as emoções.

AVANÇOS

O médico psiquiatra e psicoterapeuta Luiz Cuschnir, coordenador do Grupo de Gêneros do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade

SITE UOL (Marina Oliveira e Rita Trevisan)

Os primeiros meses após a oficialização da relação é um período de adaptação para o casal. O convívio diário trará desafios aos dois: acordos práticos deverão ser feitos o tempo todo e, ao enxergar o outro como ele realmente é, será preciso também driblar a frustração. Vale fugir de algumas situações que podem complicar o romance. Veja quais são a seguir.

 

NÃO CULTIVAR HÁBITOS COMUNS

Cada pessoa tem um ritmo e tentar impor uma rotina totalmente diferente a quem não está habituado a ela pode ser sufocante, mas criar hábitos em comum

Pode parecer que há um prolongamento na dependência dos filhos, quando se fala do ponto de vista econômico mas por outro lado, há um distanciamento maior, emocional, propiciado pela amplitude que os canais de informação oferecem para a apresentação do que é o mundo para eles. Não é só o progenitor que oferecerá os mais importantes caminhos para esse filho se tornar um homem e essa filha uma mulher. Ele sairá por aí e receberá muito, com uma qualidade distinta ao que um vínculo paterno proporcionaria.

 

Esse distanciamento afeta a relação afetiva, a troca inexistente ou interrompida que propicia

Entrevista ao Jornal A Tribuna de Vitoria (Ana Paula Costa)

Em vez de procurar sua cara-metade, alguns homens demonstram que preferem se equilibrar entre relacionamentos superficiais, saindo com várias mulheres ao mesmo tempo.

E para se esquivar de um compromisso mais sério, eles ainda lançam mão de um reper- tório de desculpas esfarrapadas, irritando a mulherada, que não aguenta mais o papo-furado do time masculino. O AT2 levantou com as solteiras quais são as frases mais manjadas usadas por eles, e a seleção de pérolas impressiona.

Especialistas explicam que esse tipo de comportamento, de enrolar uma mulher com muito lenga-lenga, evidencia

Entrevista a UOL – Mulher (Heloísa Noronha)

UOL – Depressão de um dos componentes do casal pode afetar o relacionamento? De que forma?

Uma relação de casamento necessita de alimento afetivo para se desenvolver. Precisa haver uma troca constante de elementos vitais para dali surgirem um sentido de estarem juntos construindo uma vida que traga satisfação a ambos. Uma pessoa deprimida tende a se desinteressar pelo que está a sua volta, é pouco criativa, tem um humor afetado pela depressão, com grande dificuldade de realizar essas trocas. Fica muito dependente de receber e dá muito pouco.

UOL – O que

ENTREVISTA A REVISTA NOVA COSMOPOLITAN

NOVA – Acredita que o feminismo é um ataque ao cavalheirismo?

O que tenho estudado nesses mais de 40 anos como profissional especializado no relacionamento homem/mulher é que nas primeiras etapas do feminismo, o ataque não era ficando o cavalheirismo mas sim a desvalorização que a sociedade tinha em relação à mulher. Os cavalheiros não eram mal vistos mas podiam ser mal interpretados, se a atitude condissesse com transformar a mulher em um objeto, incapaz.

Com o tempo, muitas atitudes caíram em desuso, tidas como cavalheirescas como sinônimo de “antigas”, em desuso, mas acompanho muitos