Entrevista concedida à Revista NOVA – junho/2011

Isabela Leal: O que é preciso saber/ perguntar sobre o outro para ir morar sob o mesmo teto?

Luiz Cuschnir: Para morar junto há a necessidade de haver bem mais que só o carinho ou o amor pelo outro. Saber como são os hábitos diários (uso da casa em geral, como cozinha, banheiro, quarto) dão uma idéia de como vai se instalar a rotina. As noções de higiene e o respeito ao outro nesse ítem, dão muitas dicas de como será o convívio. Os dados econômicos que sustentarão esta casa precisam ficar claros. Tudo

Entrevista concedida a Guilherme Genestreti – Equilíbrio – Folha de S.Paulo – 06/2011

Guilherme Genestriti: Quando estávamos conversando sobre o prazo de validade do amor, o senhor falou que amor pode, sim, acabar, mas que o senhor não acredita em um prazo de validade, certo? Por que motivos pode o amor acabar? As relações hoje estão mais curtas?

Luiz Cuschnir: O amor por diversos motivos com a insatisfação de uma das partes ou das duas, por traição, por decepção, por falta de cumplicidade e cultivo do vínculo afetivo e até por dificuldades econômicas ou doenças. Sim pelo estímulo do consumo

Entrevista concedida à Mariana Teodoro – site Abílio Diniz – 09/06/2011

Mariana Teodoro: Dr. Luiz, em tempos onde é comum encontrarmos relacionamentos instáveis e sexo sem compromisso, qual a importância do afeto e da cumplicidade de um namoro estável?

Luiz Cuschnir: A manutenção de um relacionamento em longo prazo e a possibilidade de dedicação a uma só pessoa cria um vínculo afetivo mais profundo. A dependência criada entre os dois dá a sensação de companhia e um seguimento de uma vida em comum que indica um específico plano de vida juntos ou complementares. É uma vivência que integra a vida

Entrevista concedida para a revista Sou Mais Eu – Editora Abril – Helena Dias – 05/2011

Helena Dias: Existem tipos de comportamento femininos que impedem que ela deixe de ser solteira, mesmo que queira?

Luiz Cuschnir: Como um todo, agressividade tende a espantar os homens. Isso pode ser óbvio mas atitudes que ela apresenta podem ter a mesma implícita ou camuflada. Os homens que têm experiências ruins anteriores, sentirão isso, mesmo que não conscientemente, e se afastarão como um ato automático. Outros comportamentos como as primeiras impressões que eles terão (vestuário, maneira de falar ou agir), podem dar informações a

TPM, maio/2011

TPM: Desde que começamos a fazer esta reportagem, percebemos que essa situação – mulheres que namoram homens que já namoraram outros homens – é cada vez mais comum, pois parece que se relacionar com pessoas do mesmo sexo é mais frequente entre as pessoas mais jovens, de cerca de 18 anos. Do seu ponto de vista, isso procede?

Luiz Cuschnir: Há poucos anos fui procurado por um colégio muito conceituado que evidenciava isso entre os seus alunos. Eram comportamentos estranhos como namorarem na escola ou simplesmente ficarem abraçados. Mas de qualquer forma indicava o que você está me

Correio Popular de Campinas, maio/2011

Pergunta: Você usa com frequência a palavra “mudança de paradigma” e Novo Homem e Nova Mulher. O que isso de fato significa?

Luiz Cuschnir: A mudança de paradigma ocorre desde o movimento de liberação feminina, que trouxe enormes avanços para as mulheres, mas alterou a forma como homens e mulheres se relacionaram, dentro de casa, nos ambientes de trabalho, no âmbito social etc. Os papéis se misturaram um pouco. Mulheres tiveram mais chances de uma carreira profissional mais bem sucedida, mais poder de decisão em sua vida pessoal e não se restringiram mais a ficar

Universal Produções, maio/2011

Pergunta: É possível estar solteira e ainda assim ser feliz?

Luiz Cuschnir: Lógico que sim. Se ela escolheu estar sozinha, colocou essa solteirice como um rumo para as suas coisas, não há nenhum problema nisso. Experimentar relacionamentos, tentativas dele para achar o que gosta ou não, pode ser um tempo para justamente se desenvolver e analisar o que é melhor e verificar o que teve no passado.

Pergunta: É verdade que as mulheres têm mais medo de ficarem sozinhas do que os homens? De onde vem esse medo?

Luiz Cuschnir: Esse medo vem basicamente da criação que

Concedida à Revista Crescer – 03/2011

Crescer: O primeiro medo que nosso pai entrevistado disse sentir foi o de se iria ter dinheiro para cuidar do filho. É bem diferente do que costumamos ouvir das mulheres que pensam se serão boas mães. Por que isso? Essa coisa de ser o provedor está mesmo tão intrínseca ainda na nossa sociedade? Ou é algo como instinto masculino?

Luiz Cuschnir: Não mudou muito este referencial de que ele deverá cumprir com segurança a parte financeira. Isto falando em termos de prioridade para ele, o que não aparece prioritariamente para a mãe. Ela se

Revista Opaque, abril/2010

Matéria feita para a revista Opaque em abril de 2010, trata fala sobre certos perfis de homens que as mulheres podem se deparar no seu dia-a-dia, a saber:

  • o narcisista;
  • o filhinho de papai;
  • o galinha;
  • o inseguro;
  • o sabotador (que sabota a si e ao relacionamento);
  • o manipulador.

1) Por que eles são assim? Pode explicar o porquê de cada tipo acima? Quando sabemos se trata-se de um caso de patologia ou

Entrevista concedida a Revista Gloss – dezembro/2009

1) Existe uma reclamação, um senso comum entre as mulheres, de que elas acabam tomando a dianteira em várias questões práticas da vida porque os homens são (ou estão) muito devagar. Você acredita que esse é um estereótipo do homem de hoje? E porque, em sua opinião, as mulheres estão vendo os homens desta forma?

Luiz Cuschnir: As mulheres se apresentam bem mais práticas que os homens quanto à diversidade concomitante de papéis que devem ser exercer. Assim são mais rápidas e os homens, como são mais reflexivos, tendem a demorar mais para

Revista Opaque – outubro’09

Pauta para matéria da Revista Opaque – edição de outubro

Opaque: Por que os homens estão se cuidando mais?

Luiz Cuschnir: Porque perceberam que cuidar da estética faz parte do cuidar de si mesmo. E cuidar significa perceber suas próprias necessidades e conseguir suprí-las.

Pode também proporcionar o bem-estar físico e psicológico. Sentirem-se mais bonitos, mais atraentes, os estimula a serem mais sedutores. A imagem que se reflete no espelho é a imagem que será exposta para o mundo. Parte do espaço interno pessoal se refletirá num espaço social relacional. Virilidade, poder, segurança, auto-confiança podem aparecer

Pauta para matéria da Revista Nova – edição de outubro/2009

Nova: ligar mais vezes?

Luiz Cuschnir: Para o homem, ligar é dar satisfação de onde está. O que incomoda muito é ele perceber-se em um Big Brother, onde tudo que faz, vê, experimenta, está sendo acompanhado. Às vezes ele até contribui para esse comportamento, por não perceber que isso o está incomodando e que fatalmente vai incomodá-lo mais tarde.

Nova: ir ao shopping com você?

Luiz Cuschnir: Cansa acompanhar a mulher com suas dúvidas do que a mulher quer comprar, qual é a melhor, a comparação etc. A necessidade que

Entrevista concedida para a Revista AnaMaria – Roberta Cerasoli 25/7/2009

Roberta Cerasoli: Assim que a criança nasce, a mãe é quem lhe dá o peito e cria logo de cara uma relação de amor com ela. O pai tem que conquistar isso aos poucos. Nessa fase, como a mãe pode aproximá-lo do bebê?

Luiz Cuschnir: Incentivando – o e propiciando que se aproxime fisicamente dele. Não precisa entregá-lo totalmente, só permitir a aproximação física, pode ser um bom método para tirar o medo dele machucá-lo.

Roberta Cerasoli:Que atitudes a mãe deve evitar para não

Entrevista concedida para a Revista AnaMaria – Roberta Cerasoli 25/7/2009

Roberta Cerasoli: Assim que a criança nasce, a mãe é quem lhe dá o peito e cria logo de cara uma relação de amor com ela. O pai tem que conquistar isso aos poucos. Nessa fase, como a mãe pode aproximá-lo do bebê?

Luiz Cuschnir: Incentivando – o e propiciando que se aproxime fisicamente dele. Não precisa entregá-lo totalmente, só permitir a aproximação física, pode ser um bom método para tirar o medo dele machucá-lo.

Roberta Cerasoli:Que atitudes a mãe deve evitar para não se isolar com a criança

Luiz

Concedida ao Diário da Região – São José do Rio Preto – SP

Ciça Bueno: Existem almas gêmeas?

Luiz Cuschnir: Existem sim, mas vamos refletir um pouco sobre esta velha crença?

Ciça Bueno: Primeiramente, de onde vem este conceito tão popular há tantos séculos?

Luiz Cuschnir: Na Grécia Antiga, relata Platão em sua obra “O Banquete” – dedicada inteiramente à apologia do amor -, que Aristófanes, um dos convidados para a ceia, relata que a natureza humana original era composta de três tipos diferentes de seres: os homens, as mulheres e um terceiro gênero, o andrógino, composto de metade masculina

Entrevista concedida à ITodas – 14/04/2008

ITodas: Afinal o que é ser maduro nos relacionamentos?

Luiz Cuschnir: Amadurecer é utilizar o já vivido e poder experienciar outras tantas coisas, reiniciar o que ainda precisa ser feito, e conseguir lidar com o que se perdeu.

A maturidade como um todo, é vista hoje como o que se pensava do envelhecimento.

Envelhecer é deixar-se afetar pelo tempo, sem lidar com as transformações da vida real, com o desenvolvimento possível a partir do que já se conhece da vida, das experiências da vida.

Então, envelhecer é ficar velho, mais no sentido de deteriorar

Entrevista concedida a Renata Fernandes – Diário da Região – SJ do Rio Preto – novembro/2007

Renata Fernandes: A euforia em demasia pode ser considerada um ‘problema’ de comportamento? Em que situações ou circunstâncias?

Luiz Cuschnir: A euforia em demasia é chamada de hipomania, ou mania mesmo. Não tem nada a ver com “ter mania de fazer algo”. é um estado de exaltação do humor.

Renata Fernandes: O que faz com que algumas pessoas sejam eufóricas demais?

Luiz Cuschnir: Às vezes são pessoas que estão com mais facilidade em acessar conteúdos da vida de uma maneira melhor (os bem humorados)

Entrevista concedida a Fabiano Ferreira – Diário da Região – São José do Rio Preto – abril/2007

Fabiano Ferreira: Muito se falou nos últimos anos sobre as transformações vividas pela mulher na sociedade. Você acha que agora elas estão encontrando um meio termo? Estão mais confortáveis?

Luiz Cuschnir: Sem dúvida há um conforto maior quando não se tem que esconder o que se é. Ficar em uma atitude de humilhação submissa ou como em outros momentos, ter que ficar em guarda para que não fechassem a porta na cara da mulher que queria entrar na vida

Entrevista concedida a Fabíola Zanetti Diário da Região São José do Rio Preto – janeiro/2007

Fabíola Zanetti: Um estudo diz que o bom humor faz bem à criatividade e mal à concentração. Gostaria de saber um pouco mais sobre esse assunto. Porque isso acontece? O que é melhor para a concentração?

Luiz Cuschnir: Sem dúvida nenhuma, o humor atinge diretamente a maioria das nossas atividades psíquicas.

Quando examinamos o aparelho psíquico atingimo-lo de diversas formas: através da atenção e concentração, estados de humor, localização têmporo-espacial(no tempo e no espaço), memória, inteligência etc.

A partir especificamente do humor, das flutuações maiores

Entrevista concedida à Revista UMA – Teste da Edição de Abril 2005

Melissa Fernandes: Bom, vamos falar na matéria sobre por que algumas mulheres não conseguem ter relacionamentos sérios e duradouros. Gostaria de traçar os perfis de mulheres que se encontram solteiras e o que elas podem fazer para mudar de atitude e se tornar uma candidata a ter uma relação estável e feliz.

Pensei nessas cinco mulheres, mas se o senhor achar que existem outros estereótipos, por favor, complete a lista. Gostaria que além de completar a descrição dela, ou o diagnóstico, que o senhor desse uma sugestão de

Entrevista concedida a Dagmar Cerpa em 24/4/1998

As mulheres são sem dúvida as que mais se queixam do desencontro entre homens e mulheres e parece que as que na realidade se encontram em maior número, nesta situação, de “sozinhas”.

Homens tendem a se relacionar com mais de uma mulher ao mesmo tempo, no mínimo levando em “banho-maria” algumas pelo menos até se decidirem com qual vão manter um relacionamento mais exclusivo.

As queixas em consultório em geral vêm em forma de uma reclamação, com a falta de local disponível para encontrar ou conhecer homens que acompanham o nivel sócio-cultural das