Entrevista ao jornal A Tribuna de Santos (MAURÍCIO MARTINS)

 

A Tribuna – Quando falamos em depressão, o que há de novidade em pesquisas sobre a doença e quais as diferenças de sintomas em homens e mulheres? O que há de mais novo em tratamento?

Hoje falar de depressão é muito diferente do que já foi em décadas passadas. O preconceito a diagnósticos e doenças psíquicas é muito menor e com isso, o acesso a tratamento fica mais fácil. A ampliação dos métodos diagnósticos e do conhecimento médico sobre ela, facilitaram muito o entendimento e a aceitação da sociedade como

Publicada em Nova – Cosmopolitan (julho, 2015)

Bárbara dos Anjos Lima e Adriane Schultz

Um boy errado atrás do outro.

Resultado? Você apenas “não está mais disposta” a se abrir a outra decepção.

Se sua vida amorosa anda tão parada quanto o feed do Instagram no domingo de manhã, temos um puxão de orelha amigo pra dar: quem se fecha para o amor perde muito do bom da vida.

“Ai, eu não tenho mais tempo pra perder com homem errado, sabe?”, você sentencia depois que mais um peguete cai para o limbo da lista dos quase: outro

“A frequência do
 contato é uma boa 
medida para identificar se um homem quer compro
-misso. Se a mulher
 percebe que há um 
interesse na vida
 dela, pode-se dizer que ela tem uma importância para que se estabeleça, quem sabe, algum tipo de vínculo”.

Entrevista a Revista Claudia

Gabriela Abreu: 
- Como elas podem aprender de novo a incluir isso na rotina, já que é um outro tempo, os códigos são outros, o que é preciso fazer? Algo bem prático. 


Primeiro se dar conta que há uma mudança real, que mesmo que o desejo existe em manter viva a memoria, a sensação de estar junto com a outra pessoa, isso não é mais verdade. A partir daí começa o tempo de luto, de término emocional, de despedida de uma fase de vida. Para algumas pessoas leva mais tempo, que aliás precisa ser

Entrevista a Marina Oliveira para o site UOL – Mulher

 

*O primeiro ano do casamento é um período decisivo e até sensível para o casal? Por quê?


Com certeza. Em geral ele vem de uma data muito esperada que na verdade se compõe de uma expectativa gerada no tempo que a antecede. Às vezes longos anos, uma parte da existência para o que significa o casamento e o dia em que acontecerá algo muito esperado como uma comemoração muito especial. Isso tudo gera um estresse e como sempre, o pós estresse também responde com emoções relacionadas. Com essa configuração

Entrevista à Radio Estadão

A satisfação feminina parece inatingível. As casadas sentem falta da liberdade do tempo de solteiras; as bem-sucedidas na carreira anseiam pela maternidade e amor; as solteiras querem casar-se; as mães em tempo integral querem maior liberdade…

A harmonia é possível para a mulher auto consciente, a que está em contato constante com sua essência. Só assim ela se fortalece para desempenhar todos os papéis com uma atitude integradora: fica forte e ao mesmo tempo flexível para encarar os desafios do cotidiano.

A identidade feminina deve ser formatada a partir de verdades construídas por si própria, longe

Daniela Venerando

Em 15 de julho comemora-se o Dia do Homem no Brasil —celebrado internacionalmente em 19 de novembro. Por aqui, a data foi proposta pela Ordem Nacional dos Escritores, em 1992, com o objetivo principal de lembrar dos cuidados com a saúde do homem. Também foi instituída para discutir a igualdade entre os gêneros masculino e feminino e o paradigma do homem contemporâneo, que já não segue o mesmo padrão comportamental do século passado. Para trazer à tona essas mudanças, conversamos com o psiquiatra Luiz Cuschnir, autor dos livros ‘Por Dentro da Cabeça dos Homens’ (Editora Planeta) e ‘Ainda

Revista Forbes Brasil – Jornalista Raquel Magalhães
Entrevista Concedida – 10/04/2015

 
Forbes Brasil – O país vive hoje uma crise de confiança que tem levado uma parte da população e do empresariado a pensar positivo e a maior parte a pensar negativo. o que leva essas pessoas a desenvolverem raciocínios tão diferentes?

Luiz Cuschnir – Do ponto de vista emocional, pessoas que conseguem construir uma estrutura de vida onde valorizam o que possuem interiormente mais que exteriormente, tendem a ser menos afetadas pelas flutuações da vida que dependem dos valores materiais. Essas conseguem ver além dos números

Portal Uol – Jornalista Louirse Vernier
Entrevista Concedida – 16/01/2015

 
Portal Uol – Qual é a melhor forma de colocar um ponto final numa relação que já chegou ao fim? Como terminar bem um relacionamento, minimizando mágoas?

Luiz Cuschnir – Primeiro lembrar que o tempo que estiveram juntos teve uma importância para os dois. Nada que se fizer vai recuperar esse tempo e valorizá-lo é tão importante como avalia-lo para a sequência da vida. Uma boa terapia vai ajudar muito, inclusive para preparar e prevenir reincidências inadequadas.

Portal Uol – Terminar a relação pessoalmente é realmente mais

Nesta quarta-feira, 15 de abril, o programa 2 em 1 da Rádio Transamérica recebeu o psiquiatra Luiz Cuschnir, que veio discutir um assunto importantíssimo para Ricardo Sam e Gislaine Martins: “Casamento, ainda vale a pena?”.

Logo de cara, o Dr. Luiz Cuschnir deu seu parecer sobre a famosa declaração que posiciona o matrimônio como uma ‘instituição falida’. “Em primeiro lugar, uma relação afetiva entre duas pessoas nunca deve ser vista como uma instituição. Isso acaba transformando a vida a dois em algo anacrônico, obsoleto e fora de data… Não é para ser um acordo firmado, é muito mais que isso”,

Romance Duradouro

Confira dicas para que a relação não se desgaste com o tempo, dada por Luiz Cuschnir, psiquiatra e psicoterapeuta com 40 anos de experiência, que acaba de lançar o livro “Ainda vale a Pena”: Cultivar para Manter os Vínculos de Amor (Editora Planeta). ” No casal a individualidade de cada um precisa ser respeitada. E nada é impossível se queremos mesmo ter uma relação saudável. “Relacionamento é um refazer, constante, dos laços”, observa.

1 –  Aceite que os dois não serão felizes o tempo inteiro, mas que construirão a felicidade a cada passo da vida juntos.

2 – Não confunda

Revista Claudia Fevereiro/2015

Uma seleção de medidas para implantar já na vida a dois

1 – OLHE PARA SI MESMA SEMPRE
Ter clareza sobre seu modo de agir e de reagir e da própria participação na construção da dinâmica da vida a dois ajuda a não sair apontando o dedo diante de insatisfações cotidianas. E investir em crescimento pessoal traz ganhos para os dois. “Quem busca conhecer suas necessidades, seus limites e o sentido de sua vida neutraliza desequilíbrios alheios e até propicia que o parceiro também tenha bons insights para ele e a relação. Há muita gente que

Revista Claudia Fevereiro/2015                                                   Dagmar Serpa

Com mais um livro sobre o tema saindo do forno, o psiquiatra Luiz Cuschnir diz que nunca vivemos tempos tão propícios para a vida a dois. Confira esta entrevista inspiradora e conselhos práticos para ser ainda mais feliz no relacionamento.

Tanto a mulher quanto o homem ganharam liberdade graças ás muitas mudanças das ultimas décadas. Os papéis de um e de outro já não são únicos e estanques. Ela hoje

Revista Marie Claire – Jornalista Carla Castellotti
Entrevista Concedida – 15/12/2014

RMC – Devo alertar minha amiga que ela está namorando um canalha ou não?

Luiz Cuschnir – Primeiro estamos falando dessas duas posições que merecem um dimensionamento bem específico: quanto há de amizade entre as duas e o que está acontecendo para ser esse o melhor jeito de demonstrá-la. Muitas avaliações precisam ser feitas e nem sempre se têm condições de avaliar com um distanciamento necessário para dimensionar cada uma dessas posições.

RMC – Que consequências devo assumir quando coloco uma bomba dessa nas mãos dela? Será que

Revista Marie Claire Fevereiro/2015

Quando você flagra o parceiro de uma pessoa querida pulando a cerca, tem a obrigação de interferir ou o direito de fazer vista grossa para preservar a felicidade do casal? Conversamos com quem passou por isso – ou estudou o caso – para saber quando é hora de agir.

Qualquer decisão a ser tomada pode ferir sentomentos – os dela e os seus. De tão mergulhada no romance, sua amiga pode não acreditar no alerta – e, então, o elo de confiançã que as unia se romperia para sempre. Se optar por não falar nada e

Jornal Folha de São Paulo – Jornalista Mariana Versolato
Entrevista concedida – 21/01/2015

FSP– Essencialmente, quais são os motivos que fazem com que casados sejam mais felizes que os solteiros? Há outras razões além daquelas apontadas nesse estudo?

Luiz Cuschnir – A dificuldade dos homens em interagir no que diz respeito a sua vida emocional, é bastante facilitada pela convivência com as mulheres. Por mais conflituada que seja a relação, a companhia que os estimula em vários papéis que desempenham, estimulam a realização pessoal e consequentemente a sua masculinidade. Além disso a chance de serem pais num casamento

Jornal Folha de São Paulo – janeiro/2015

O psiquiatra Luiz Cuschnir, idealizador do grupo de psicoterapia sobre gêneros no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clinicas, lembra que mesmo quem passa por um divórcio muitas vezes volta a se casar. Ele afirma que especificamente para os homens, o casamento tem impacto inclusive profissional. ” De alguma forma, o casamento os qualifica. Há estudos que mostram que homens casados ganham mais que solteiros.

 

Pais sem tempo para as demandas dos filhos nas férias precisam entender que:

– Devem se eximir de culpa: são limites da vida inclusive estão enfim ensinando a eles atitudes de responsabilidade na futura vida profissional.

– É pedagógico e um treino para procurarem ocupar o tempo sem ser só estudando e fazendo tarefas escolares. Às vezes, nesse “não fazer nada de útil” é quando surgem as novas aptidões, habilidades e interesses como música, esportes, artes em geral. Ou descobertas de assuntos que não estão dentro de um processo pedagógico tradicional como na educação não formal.

– É uma onipotência

Entrevista para Renata Pessoa                                         Site Abílio Diniz

Balanço de vida

O encerramento de um ano é um bom momento para refletirmos sobre as experiências vividas e avaliarmos as consequências positivas ou negativas que elas nos trouxeram. Esta avaliação pode mostrar quais situações proporcionaram crescimento e quais serviram para alertar sobre a necessidade de mudanças.
Algumas pessoas costumam anotar suas reflexões com as perdas e ganhos que teve. Outras, preferem avaliar as metas que se propôs a realizar, e estipular

Revista Nova – Jornalista Barbará dos Anjos
Entrevista Concedida – 10/10/2014

 
O mais comum é encontrarmos homens de tenham uma exigência maior na imagem física das mulheres do que vice-versa. E faz parte dessa necessidade deles que sejam mais para magras do que para gordas. Principalmente homens com o corpo mais cuidado, terão grandes ressalvas em relação a mulheres que não têm.

Os homens em geral não se permitem nenhum contato físico nem se propõem a investir para conhecer mais profundamente uma mulher que não os atraia fisicamente. Sempre estarão em contato com uma avaliação instintiva se

Revista Época – Jornalista Nathalia Bianco
Entrevista Concedida – 10/09/2014

 
Época – Falamos com três agências de encontros e uma que oferece cursos de sedução e em todos houve uma crescente no número de pessoas que se inscreveram de um ano para cá. O que pode explicar esse aumento?

Luiz Cuschnir – A liberdade que a pessoa tem de procurar esse processo de conhecimento de alguém vem da sua experiência com isso. Os que entram nesse processo, os novos inscritos, em geral recebem o estímulo de outros, que os encorajam. Com a propagação da informação de que

Site Uol – Jornalista Simone Cunha
Entrevista Concedida – 04/09/2014

Uol – O fato de uma pessoa apaixonar-se por alguém comprometido e submeter-se a essa situação demonstra alguma vulnerabilidade emocional?

Luiz Cuschnir – Uma pessoa inacessível não se deixará apaixonar-se por ninguém. Está trancada e impossibilitada de se entregar como de receber quaisquer movimentos em direção a ela que indiquem a possibilidade de um romance. Assim estamos perante uma situação de invulnerabilidade máxima. A partir disso temos as aberturas que cada um dá para que apareça alguma chance de relacionamento. Em geral as pessoas restringem pelo menos algumas abordagens,

Folha de São Paulo – Jornalista Juliana Vines
Entrevista Concedida – 19/11/2014

FSP – Primeiro, é possível responder à pergunta de um milhão de dólares: por que as pessoas traem?

Luiz Cuschnir – Posso dizer que traem porque são pessoas, seres humanos e não estereótipos de divindades ou seres perfeitos como se idealizam e são idealizadas. Por outro lado, acabam traindo por não terem conseguido controlar algo que desejam, condutas que se impuseram ou foram impostas para a preservação monogâmica de um relacionamento.

FSP  – Vi pesquisas de sites de traição que elencam motivos, como falta de sexo, monotonia, falta de

Jornal  A Tribuna – novembro/2014

 
“O desejo de vingança vem da necessidade de causar no outro o mesmo ou um maior dano emocional do que o que lhe foi causado. Há tendências específicas de certas pessoas, de acordo com sua personalidade, desenvolverem com frequência essa atitude vingativa. Está relacionado com a incapacidade de absorver uma frustração, de refletir melhor sobre ela. Há, inclusive, pessoas nada impulsivas que armam estrategicamente vinganças, às vezes até perversas”.

Luiz Cuschnir, psicoterapeuta e escritor

Uol Mulher – Jornalista Maisa Correia
Entrevista concedida – 03/07/2014

Uol Mulher – O que significa perdoar?
Luiz Cuschnir – Perdoar é caminhar através da dor, aprender a conviver com o imperfeito e aceitar o outro como ele é. É preciso separar o erro que foi cometido daquilo que é maior naquela pessoa. Ele ou ela cometeu um erro, não é o erro. Implica em olhar maior, mais distante e mais amplamente a situação, tanto em relação ao outro quanto a si mesmo. É retirar o julgamento que culpabiliza e decreta quem é o único responsável por aquilo

Site Abílio Diniz – Jornalista Renata Santiago
Entrevista concedida – 03/07/2014

Site Abílio Diniz – Que tipo de pessoa está mais sujeita a ter dificuldades em encarar os próprios medos?
Luiz Cuschnir – Pessoas que não possuem recursos emocionais que suportem a experiência de enfrentar situações que para ele ou ela geram medo. Também pessoas mais acomodadas nos limites impostos por ele, tendo criado rotinas e principalmente evitações para se confrontarem com o que é desagradável na sensação de medo. É claro que pessoas inseguras, que tem experiências de insucesso, criam condições para terem medos pois não terem

MEDO DE CASAR    Jornal A Tribuna – Jornalista Roberta Peixoto
Entrevista concedida – 18/08/2014

A Tribuna – Há pessoas que realmente têm medo e fogem de casamento? Podemos explicar o motivo de agirem assim?
Luiz Cuschnir – A imagem do casamento para cada um é construída de várias maneiras, ao longo da vida e atualizada no que a pessoa está passando numa determinada fase de vida. Se a pessoa cresceu com esse medo, os motivos devem estar relacionados ao que ela viu e participou dentro e fora de casa. Paralelo a isso, fugir do casamento também pode

Jornal A Tribuna – Jornalista Roberta Peixoto
Entrevista concedida – 14/07/2014

A Tribuna – Podemos afirmar que as mulheres enxergam os homens de forma equivocada? Comente, por favor.
Luiz Cuschnir – O equívoco se dá quando elas querem ver o homem que as atenda em suas necessidades e com seus valores e não como eles são simplesmente por serem homens, diferentes delas. Gostariam que os homens tivessem a sensibilidade e a visão de mundo que elas tem e isso pode chegar até a revoltá-las. Aconteceu com muitas leitoras do meu livro mais recente “Por Dentro da Cabeça dos

Folha Universal – Jornalista Adriana Klautau
Entrevista concedida – 06/08/2014

Folha Universal – Por que o homem tem dificuldade em identificar os pontos que precisam melhorar?

Luiz Cuschnir – Mudar implica em sair de um lugar em geral. Há uma tendência a acomodação, principalmente por demandar uma energia para isso. Ficar no conhecido dá um certo conforto.
Nesse aspecto o homem que procura dispender energia e estar sobrecarregado em obter novas e mais marcas de sua conquista. Ele não investe tanto no pessoal e mais no que quer obter no mundo.
Esse investimento em si mesmo de

Revista marie Claire – Dolores Orosco Ferreira
Entrevista concedida – 05/08/2014

Marie Claire – Quais são os principais “sintomas” do abuso emocional em uma relação conjugal?
Luiz Cuschnir – A imposição de um comportamento com uma pressão psicológica, implícita ou não, poderíamos dizer que caracteriza mais amplamente o abuso. As respostas a esse abuso vão do medo de agressões físicas, gestos, comportamentos ou palavras que desvalorizam e ameaçam o outro. A repetição disso com o desenvolvimento de dependência do outro é um sintoma típico de uma relação de abuso.

Marie Claire – Humilhação e deboche estão entre esse

Revista Claudia – Jornalista Liliane Oraggio
Entrevista concedida – 05/03/2014

Homens e mulheres têm disponível drives distintos em relação a vários assuntos: amor, sexo, diálogos, corpo, tempo etc. Como falo no meu livro “Por dentro da cabeça dos homens” (Ed. Planeta). A genética não nos deixa mentir. Mulheres são XX e homens, XY. Uma única letra, e a confusão foi armada.

A vida sexual para elas pode ter um espaço vital como uma declaração de amor a cada relação e para o homem ter um sentido estrito de alívio e relaxamento.
Com o transcorrer de um relacionamento mais

Uol Comportamento – Jornalista Thais Carvalho Diniz
Entrevista concedida 24/07/2014

Uol – Por que a ideia de felicidade está sempre ligada a um relacionamento amoroso?

Luiz Cuschnir – A relação a dois completa um ciclo da vida que vai do nascimento, crescimento e desenvolvimento do indivíduo para chegar numa fase mais madura e criar um vínculo com outra pessoa. É claro que há diversas possibilidades de se formar este vínculo e que ele possa completar este percurso mas estou dando esse caminho mais geral para juntar essas duas instâncias: felicidade e relacionamento amoroso. Felicidade é um termo usado para

Uol Mulher – Jornalista Marina Oliveira
Entrevista concedida – 08/08/2014

Sempre em evolução, com as particularidades de cada um, aponto alguns padrões nas diferentes áreas. Ele busca desenvolver habilidades para manter a relação afetiva com a mulher e também aprende mais claramente com outros homens o que está acontecendo na sua vida. Com uma conscientização de que precisa se preparar, se ampliar, sair de um lugar arrogante, pode se enxergar melhor, respeita mais, reflete e considera mais o que está a sua volta. Está disposto a conversar sobre sentimentos e emoções com outros homens e com outras

Novembro/2014

 

Estimado Dr. Luiz creio que já lhe falei que não faço terapia. Sou analisada e me reconheço através dos seus livros. Neste último, conforme a leitura evoluía, ia me perguntando onde e quando o Luiz se encontrou com meu marido para saber tudo sobre ele e descrevê-lo tão perfeitamente? Também fiquei abismada com a estupidez das mulheres. Ora, se “os homens são tão carentes de serem cuidadores quanto elas de serem cuidadas”, por que não surge daí um “clima amistoso”? A sua resposta talvez fosse: “os dois vivem em mundos com expectativas totalmente diferentes”. Mas a minha resposta

Revista Marie Claire outubro/2014

O que torna o problema mais sutil é que nem sempre o autor do bullying é alguém perverso ou irrecuperável – e talvez nem veja sua conduta dessa maneira. Homens que cresceram assistindo a situações de abuso, como o pai cometendo grosserias com a mãe, podem assumir esse papel de abusador para não passar por isso, afirma o psiquiatra Luiz Cuschnir, autor do livro “Os Bastidores do Amor” (Alegro).

Até por motivos como esse, o quadro emocional pode ser revertido. O primeiro passo é reconhecer o problema e procurar ajuda psicológica.

Com tratamento adequado, o agressor

Revista Nova – outubro/2014

Não vamos ser hipócritas: as fotos de um cara mega gato geram muita expectativa, claro. Mas o que chama a atenção nesse estudo é como cada sexo lida com a frustração.

 
O psiquiatra e psicoterapeuta Luiz Cuschnir, autor do livro “Por Dentro da Cabeça dos Homens” (Academia/Planeta), de São Paulo diz que para os homens, esse tipo de date é muito mais “mata-mata”: eles estão, em um primeiro momento, atrás de sexo, não de um relacionamento. “A decepção de encontrar uma mulher tão diferente da fantasia que criaram gera um antagonismo mental e mobiliza,