A ideia é mostrar para a leitora como dá para contornar ou tentar evitar o divórcio quando ela se depara com as seguintes situações: Situações inúmeras podem ocorrer mas levantando alguns desses pontos, tentarei explicar um pouco mais o que pode provocar gatilhos que indicam o caminho destrutivo de um relacionamento que supostamente teria o interesse de ambos que perdurasse.

Mostro também o que pode estar por detrás daquilo que é tão aparente e objetivo, que poderia tomar um rumo menos comprometedor se pudesse ser visto mais amplamente ou profundamente.

Tudo pode ser discutido de uma maneira mais ampla e

  1. Queremos saber um pouquinho sobre você, sua carreira e seus livros.

 

Cuschnir por Cuschnir

Eu poderia ter sido engenheiro, arquiteto ou administrador de empresas, mas quando assisti o filme Freud, Além da Alma me fascinei com a Psiquiatria e decidi meu destino profissional. De repente, aos 17 anos, me vejo longe da família, cursando medicina na Faculdade de Ciências Médicas de Santos, mas ao invés de me dedicar apenas à psiquiatria, resolvi estudar todas as matérias médicas. Queria me preparar mais amplamente primeiro.

Nos meus primeiros anos como psicoterapeuta, atendi um número grande de adolescentes. Nas sessões

“E VIVERAM FELIZES PARA SEMPRE…”
BOM SERIA SE TODOS OS CASAMENTOS NA VIDA REAL FOSSEM SEMPRE TÃO INCRÍVEIS COMO OS DOS FILMES. SÓ QUE FORA DE HOLLYWOOD
A GENTE TEM DIAS BONS, DIAS RUINS E DIAS EM QUE BATE AQUELA VONTADE DE DESISTIR. MAS, ANTES DE JOGAR A TOALHA, QUE TAL PARAR, RESPIRAR FUNDO
E VER SE TEM JEITO DE VIRAR ESSE JOGO?
RAFAELA POLO

AQUELA HISTÓRIA DE QUE O CASAMENTO SÓ TERMINA QUANDO “A MORTE OS SEPARE” NÃO É VERDADE.
Nem todo mundo tem final feliz. De acordo com o IBGE, nos últimos 30

A ideia é mostrar para a leitora como dá para contornar ou tentar evitar o divórcio quando ela se depara com as seguintes situações:
Situações inúmeras podem ocorrer mas levantando alguns desses pontos, tentarei explicar um pouco mais o que pode provocar gatilhos que indicam o caminho destrutivo de um relacionamento que supostamente teria o interesse de ambos que perdurasse.
Mostro também o que pode estar por detrás daquilo que é tão aparente e objetivo, que poderia tomar um rumo menos comprometedor se pudesse ser visto mais amplamente ou profundamente.
Tudo pode ser discutido de uma maneira

R7 – MULHER (entrevista a Deborah Bresser)

Para os especialistas, as esposas acreditam que a amante desviou o amado e merecem vingança.

O psiquiatra Luiz Cuschnir pontua que, nesses casos, a tentativa de proteger o marido aparece pela relação amorosa que existe entre eles. Ele é protegido da agressividade que surge por parte da esposa, por isso a necessidade de se aliviar a raiva é dirigida à amante.

— Preservar o vínculo que existe nesses casos pode estar evidenciando que há muito o que preservar entre eles, que o relacionamento não se restringe somente àquela traição, há muita coisa que

ENTREVISTA A REVISTA CLAUDIA (Gabriela Abreu) 


 

CLAUDIA – Como elas podem aprender de novo a incluir isso na rotina, já que é um outro tempo, os códigos são outros, o que é preciso fazer? Algo bem prático. 


Primeiro se dar conta que há uma mudança real, que mesmo que o desejo existe em manter viva a memoria, a sensação de estar junto com a outra pessoa, isso não é mais verdade. A partir daí começa o tempo de luto, de término emocional, de despedida de uma fase de vida. Para algumas pessoas leva mais tempo, que aliás

Entrevista a Revista Claudia

Gabriela Abreu: 
- Como elas podem aprender de novo a incluir isso na rotina, já que é um outro tempo, os códigos são outros, o que é preciso fazer? Algo bem prático. 


Primeiro se dar conta que há uma mudança real, que mesmo que o desejo existe em manter viva a memoria, a sensação de estar junto com a outra pessoa, isso não é mais verdade. A partir daí começa o tempo de luto, de término emocional, de despedida de uma fase de vida. Para algumas pessoas leva mais tempo, que aliás precisa ser

Folha de São Paulo – Jornalista Juliana Vines
Entrevista Concedida – 19/11/2014

FSP – Primeiro, é possível responder à pergunta de um milhão de dólares: por que as pessoas traem?

Luiz Cuschnir – Posso dizer que traem porque são pessoas, seres humanos e não estereótipos de divindades ou seres perfeitos como se idealizam e são idealizadas. Por outro lado, acabam traindo por não terem conseguido controlar algo que desejam, condutas que se impuseram ou foram impostas para a preservação monogâmica de um relacionamento.

FSP  – Vi pesquisas de sites de traição que elencam motivos, como falta de sexo, monotonia, falta de

Uol Comportamento – outubro/2014

O psiquiatra Luiz Cuschnir, coordenador do Gender Group® do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), comenta que a mulher tem uma vida emocional muito rica e, por conta disso, envolve-se mais facilmente, mesmo que a situação não seja a de sua preferência. “Elas também acreditam mais em promessas e creem que poderá haver mudança do status de amante, se for persistente”, explica.

É importante, entretanto, dizer que um relacionamento extraconjugal pode oferecer grandes momentos de amor e sexo. “O espaço para sentirem o amor de

Novo livro do psiquiatra Luiz Cuschnir, que traz apresentação escrita pela jornalista Mônica Waldvogel e será lançado no próximo dia primeiro de agosto na FNAC Paulista, é dedicado a mulheres contemporâneas e independentes em busca de equilíbrio entre vida profissional, social, familiar e amorosa.

“A vida não está fácil para ninguém. Depois de um dia desgastante, no qual só uma mulher como você teria conseguido chegar viva até o fim, você encontra suas amigas. Estão todas radiantes e você logo pensa: “Que vida boa! Se fizessem metade de tudo que eu faço, elas estariam ferradas”. Só que o

Conversando com o DR. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA: Preciso me desabafar. Após 25 anos de convivência, dois filhos, descobri que meu marido tem e teve diversas amantes, há pelo menos 15 anos. Sempre pensei que ele fosse honesto, homem de caráter. Por isso tolerava seus maus humores e distanciamento. Questionei–o, algumas vezes, se ele queria se separar ou se tinha outra. Tudo prontamente negado. Acredito que, como sempre fui independente e tomei conta dos meus negócios e dos dele também, ele acabou se acomodando nessa boa vida de fachada. Vivia comigo e saía para o motel com suas alunas,

Conversando com o DR. Luiz Cuschnir – Glorinha Cohen

PERGUNTA: Gostaria de saber se todo homem que você atende trai. Todo homem gosta ou pensa em prostitutas? O que faz um homem abandonar uma família para morar com prostituta? Todo homem procuram e respeita as prostitutas? M., 38 anos.

RESPOSTA: M., com certeza nem todo homem trai nem procura prostitutas. Hoje em dia, com os novos paradigmas da sociedade, tanto masculinos como femininos, as relações sexuais podem ocorrer de uma maneira mais aberta mesmo que menos comprometida, como por exemplo, entre conhecidos, colegas ou encontros casuais. Quando há o abandono da

“Depois de uma traição, os homens ficam com uma sensação de derrota. Eles levam o trauma adquirido com a companheira em questão para a vida e têm dificuldade de se entregar nas futuras relações.”

Revista Claudia – Setembro de 2013

Emiliano Urbimr – Revista Alfa – 01/2013

Quais são os problemas que levam os homens à terapia. E aonde ela pode fazê-lo chegar.

Amor e Sexo

Separações, traições e insatisfação sexual: temas recorrentes na terapia

Nós temos um problema. Nós homens. Em algum ponto entre a invenção da pílula e da internet, o mundo masculino se tornou um lugar mais inóspito para se viver. Estamos perdidos em um limbo, no qual os modelos anteriores ficaram obsoletos e os novos ainda não foram definidos. Você não quer ser dono nem capacho

Alexandre Adoni – iG São Paulo | 18/08/2012

Especialistas contextualizam a infidelidade dos famosos e dos mortais

Infidelidade, ao que tudo indica, continua sendo um tremendo assunto. Nos últimos dias, as notícias de que Kristen Stewart havia traído Robert Pattinson e tentava uma reconciliação e de que Giovanna Ewbank havia reatado com Bruno Gagliasso, depois dele supostamente ter “pulada a cerca”, inundaram os jornais e revistas de fofocas.

Perdoa não perdoa? Traiu ou não traiu? Faz as pazes ou não? Homem pode trair, mulher não? Ou vice-versa? O Delas foi conversar com

Raquel Paulino – iG São Paulo – 05/05/2012

Autoconhecimento e maturidade são essenciais para encarar a realidade da vida a dois

Imagine viajar para curtir o calor da Flórida e, ao sair do avião, descobrir que foi levada aos Alpes Suíços. Mesmo achando os dois destinos deliciosos, o choque com a mudança é brutal, já que nem roupas adequadas para o clima local você tem. É mais ou menos essa a sensação de muitos recém-casados, que idealizam um conto de fadas para depois do “sim” e, com a chegada da rotina e das contas a pagar na volta da lua-de-mel,

Entrevista concedida à Revista Claudia – agosto/2011

Maria Laura: Você concorda com a nossa tese?

Luiz Cuschnir: Parece que a tese é: mulheres traem mais do que antes, assume mais esta posição para eles e eles tem que lidar com algo novo, sem repertório nem modelos anteriores.
Vou discutir um pouco, tá?!
Concordo que elas estão mesmo mais livres para trair, do que antes, mas não mais que eles, OK?
Que eles não têm repertório, nem por não ter tido modelos nem preparo para essa contingência como por terem uma tendência a não encarar diretamente as dificuldades

“Para certas pessoas muito reprimidas a traição pode até iniciar um movimento novo em suas vidas. Mas não há uma regra. Nem sempre trair tem a ver só com começar.”

Site UBBI

Entrevista concedida a Vya Estelar sobre os bastidores do relacionamento amoroso

Vya Estelar: Na prática, o que seria a violência psicológica ou emocional no relacionamento amoroso?

Luiz Cuschnir: O relacionamento amoroso tem faces ocultas, não visíveis nem decantadas em verso e prosa nas canções, filmes, histórias… Há aspectos que ficam ocultos por trás de traumas, dependências, inabilidades ou baixa autoestima, que propiciam e desenvolvem as ligações afetivas desgastantes, desvalorizadoras, que seqüestram o potencial humano de quem está envolvido nela, em prol de um suposto amor que engrandece, preenche, promete a felicidade. Enfim tudo isso violenta o espaço individual, o desenvolvimento

Veja

Um psiquiatra paulista afirma que, depois da revolução que as mulheres fizeram, os homens precisam rever o seu papel na sociedade.

O psiquiatra paulista Luiz Cuschnir, 41 anos, é um mestre num desses assuntos que, além de originais, invariavelmente dividem as opiniões das pessoas. Professor-supervisor de Psicodrama do Serviço de Psiquiatria do Hospital das Clinicas, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, dedica-se ao estudo das transformações causadas pelo novo papel da mulher na sociedade e ao fato de ela progressivamente ocupar espaços que antes eram exclusivos do homem. Cuschnir está convencido de que vivemos um momento

Entrevista concedida à revista Poderosa

Carol Brandão: Você perdoaria uma traição?

Entrevistamos 13 homens e tivemos o seguinte resultado:

8 – não

3 – sim

2 – depende

Gostaria que o senhor, na medida do possível, nos ajudasse a avaliar as respostas.

Luiz Cuschnir: Como a amostragem é muito pequena, não posso utilizá-la como estatística válida. Homens tem uma tendência maior a não aceitarem a traição de uma mulher por vários fatores. Encontramos traços de um machismo arraigado onde ele se sente passado para trás. Há um outro fator que é a comparação com outro homem que pode ser ameaçadora

Concedida à Revista Residências (Campinas)

Roberto Cardinalli: Porque as mulheres traem?

Luiz Cuschnir: Muitas vezes as mulheres traem, não só pela noção mais “lugar comum” como o casamento estar indo mal e aí vai procurar fora algo para satisfazê-la. Não que isso não esteja ocorrendo, mas para deixar só esta explicação tomar conta dos motivos, é reduzi-la a um conceito simplista e muitas vezes repleto de uma repressão moralista.

A falta de reconhecimento do que é sonho e do que é realidade, imaginando que está em uma situação paradisíaca, sem muita discriminação de quanto é mesmo um preenchimento de sua

Programa Inês de Castro – Bandnews – 07/2011

Inês de Castro: Almas gêmeas (que “milagre” é esse que acontece no encontro? É sorte encontrar uma dessas? É casualidade ou é disposição? Como se identifica o par ideal? Como abandonar a crença de que, se não for um par perfeito não vale à pena? O que é melhor, relações simétricas ou assimétricas? Para quê ter uma relação se sozinho tem mais liberdade? O quê se ganha com um relacionamento estável?

Luiz Cuschnir: Não dá para se dizer que a alma gêmea dura para sempre, se gêmea quiser dizer “ideal”. A melhor

Lacoctelera -07/02/08 – Autor: Julia

Ellas como protagonistas

Se han publicado muchas estadísticas sobre la infidelidad y estudios sobre la forma en que la infidelidad femenina ha aumentado. Pero, más allá de las cifras ¿qué hay detrás de las mujeres que traicionan?

De acuerdo a algunos estudios, cerca del 40 por ciento de las mujeres traicionan, pero nadie se atrevería a confirmar la exactitud de esa cifra. Otros afirman que el índice se igualó al de los hombres, que 50 por ciento es el promedio mundial, el cual ciertamente parece modesto en determinados rincones tropicales. Si es arriesgado decir cuánto

Globo VideoChat / Marie Claire – jun/07

Leia abaixo o chat Marie Claire na íntegra – Globo videochat

Moderador fala para a platéia: Boa noite! No chat da revista “Maria Claire”, entenda como os homens reagem à paixão. O convidado é o psicoterapeuta Luiz Cuschnir. Envie sua pergunta!

Dr. Luiz Cuschnir fala para a platéia: Boa noite, é um prazer estar com vocês.

Moderador apresenta a mensagem enviada por Angela_Lopes: E a história de que o homem se entrega mais do que a mulher? Dizem que quando um homem gosta de verdade, ele é capaz de fazer qualquer loucura, mas

“Existe o “adúltero contumaz”, aquele que passa a vida inteira traindo. As razões que levam a isso podem ser a necessidade de preencher vazios existenciais, a baixa auto-estima, a competitividade ou a auto-afirmação.”

Revista da Folha- 10 de abril de 2005

“Adultério e amor (ou a falta dele) não estão relacionados. Há quem ame sem ser fiel e quem seja fiel sem amar. Às vezes o relacionamento é apenas um compromisso estereotipado sem profundidade amorosa nenhuma. A traição dói porque, segundo ele, atinge diretamente a auto-estima, é uma “ferida narcísica”, resultado da confusão entre a questão da posse e a relação amorosa.”

Revista da Folha- 10 de abril de 2005

“Descobrir que foi traído desestabiliza o homem em sua característica mais íntima, a virilidade. Sua identidade masculina é ferida. Isso é algo muito profundo. Já as mulheres se sentem atingidas em seu papel social, em como vão ter de lidar com aquilo socialmente, o que também é um pesadelo. Posso garantir que o impacto do fim de um casamento sólido devido a uma traição corriqueira tem um poder destrutivo dez vezes pior do que a traição em si. Um caso não deve e não pode ter esse poder.”

Veja On-line – 13 de outubro de 2004

Revista VIP – fevereiro de 2004

VIP: Que razões explicam essas paixões? O desejo de competir com o amigo, a inveja, a intimidade com ele, talvez mais do que com ela?

Luiz Cuschnir: As razões que explicam estas paixões são as mesmas que explicam qualquer paixão. Existe uma série de fatores subjetivos e inconscientes envolvidos, os quais influenciam na atração pelo sexo oposto, como: os ferormônios (através do cheiro), beleza, as primeiras experiências infantis, a própria história de afetos anteriores e etc… Ninguém está livre de se apaixonar pela mulher do amigo ou uma mulher compromissada, visto que muitas vezes

“As pessoas casam por motivos religiosos, financeiros ou afetivos. Mas acabam traindo por motivos sexuais. A traição revela uma instabilidade emocional e geralmente é uma atitude circunstancial. é muito superficial dizer que a traição é consequência de um casamento que vai mal. Tem que se estudar a fundo quem é o traidor, a história afetiva dessa pessoa no passado, se foi ou é volúvel.”