ENTREVISTA A REVISTA CLAUDIA (Gabriela Abreu) 


 

CLAUDIA – Como elas podem aprender de novo a incluir isso na rotina, já que é um outro tempo, os códigos são outros, o que é preciso fazer? Algo bem prático. 


Primeiro se dar conta que há uma mudança real, que mesmo que o desejo existe em manter viva a memoria, a sensação de estar junto com a outra pessoa, isso não é mais verdade. A partir daí começa o tempo de luto, de término emocional, de despedida de uma fase de vida. Para algumas pessoas leva mais tempo, que aliás

Entrevista a Revista Claudia

Gabriela Abreu: 
- Como elas podem aprender de novo a incluir isso na rotina, já que é um outro tempo, os códigos são outros, o que é preciso fazer? Algo bem prático. 


Primeiro se dar conta que há uma mudança real, que mesmo que o desejo existe em manter viva a memoria, a sensação de estar junto com a outra pessoa, isso não é mais verdade. A partir daí começa o tempo de luto, de término emocional, de despedida de uma fase de vida. Para algumas pessoas leva mais tempo, que aliás precisa ser

Revista Claudia por Adriana Negreiros – julho /2012

Em novo livro, psiquiatra ensina como usar o poder que só as mulheres têm para dominar o mundo, o que significa conquistar a si mesmas..

Quando pensa em uma mulher conquistadora, o que vem à sua cabeça? Uma pesquisa de imagens em site de buscas dá pistas sobre o senso comum formado a esse respeito: a foto de uma magra e peituda de lingerie sexy e olhar matador divide espaço com a de uma executiva de salto agulha pisando no peito de um pobre coitado deitado a seus pés. Esqueça. Em Como

Pergunta: Você acha que a solidão é o mal do século?

Luiz Cuschnir: Solidão antes de tudo deve ser diferenciada de estar só, ou sozinho(a) em uma situação ou momento de vida. Este último deve ser inclusive exercitado da melhor maneira possível, para que possam levar a vida de uma maneira mais independente, desenvolvendo a segurança pessoal e a autoconfiança.

Já a solidão indica o mal estar que ocorre em determinadas situações ou até como um sentimento mais amplo, existencial da vida daquele que a sente. Está diretamente relacionada com o isolamento, afastamento das pessoas, involuntária ou voluntária, de uma

Pergunta: Você acha que a solidão é o mal do século?

Luiz Cuschnir: Solidão antes de tudo deve ser diferenciada de estar só, ou sozinho(a) em uma situação ou momento de vida. Este último deve ser inclusive exercitado da melhor maneira possível, para que possam levar a vida de uma maneira mais independente, desenvolvendo a segurança pessoal e a autoconfiança.

Já a solidão indica o mal estar que ocorre em determinadas situações ou até como um sentimento mais amplo, existencial da vida daquele que a sente. Está diretamente relacionada com o isolamento, afastamento das pessoas, involuntária ou voluntária, de uma

Pergunta: Como o avanço da psiquiatria, antigos conceitos freudianos como o da histeria não ficaram obsoletos? Onde eles se encaixam no espectro de patologias psiquiátricas hoje?

Luiz Cuschnir: Não, os conceitos clássicos ainda são mantidos, porém com algumas atualizações e revisões feitas a partir dos novos descobrimentos científicos. A clássica histeria de conversão de Freud ainda é vista em instituições e consultórios, porém são mais raras em sua forma originalmente descrita por Freud.

Pergunta: Caracterize Síndrome de Pânico. Qual seu tratamento?

Luiz Cuschnir: A Síndrome do Pânico é uma doença psicológica caracterizada por uma série de sintomas que causam uma

Apoio, aconchego e cuidados prestados por parentes e amigos são aliados importantes da medicação e da terapia para a cura de um deprimido

O que uma pessoa em depressão pode fazer para ajudar familiares e amigos:

  • As pessoas mais próximas podem e devem ser esclarecidas sobre o assunto. Além de você, seu médico ou terapeuta podem ajudá-las dando informações e sugerindo formas de apoio;
  • Deixe claro que você os ama e precisa de ajuda. Explique a eles que você pode ter reações mas frias, apáticas, irritadas ou até mesmo mais agressivas. E que embora

Entrevista concedida à revista Corpo a Corpo

Isabel Taranto: O que é estresse?

Luiz Cuschnir: O estresse traduz uma condição vivencial, mais ou menos duradoura, que se reflete em efeitos emocionais e físicos que traduzem o desajuste a vida cotidiana.

Isabel Taranto: Quais as principais causas?

Luiz Cuschnir: As principais causas são provenientes de uma transformação do status momentâneo de estabilidade, que em geral afetam os diversos papéis que cada um exerce na sua vida. Muitas vezes sequestros emocionais de relacionamentos ou até atividades podem propiciar o aparecimento do estresse. Se acessarmos os papéis profissionais, os relacionamentos familiares e afetivos,

Agência Estado por Carlos Lo Prete – fevereiro/2008

Á medida que a vida cotidiana parece ficar insuportavelmente estressante, é cada vez maior o número de médicos que prescrevem benzodiazepínicos aos seus pacientes. São remédios que têm a propriedade de atuar quase que exclusivamente sobre a ansiedade e tensão. Atualmente há mais de 100 remédios no Brasil à base de benzodiazepínicos. Mas o seu uso indiscriminado pode trazer mais problemas do que soluções.

é o caso do trágico fim do ator australiano Heath Ledger, famoso pelo filme “O Segredo de Brokeback Montain”, que morreu devido a uma overdose de tranqüilizantes. Ledger