Homens sem Sexo

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

Comentários sobre o artigo “Homens sem Sexo”

O artigo “Homens sem Sexo” foi publicado no jornal “Folha de São Paulo” – por Contardo Calligaris

Texto original:

“Homens sem Sexo” – Contardo Calligaris

Observei o encontro entre quatro homens de meia-idade que tinham cursado a mesma universidade e não se viam desde então. Eles lembravam nostalgicamente as bebedeiras, as conversas jogadas fora, a vida de estudante.

Alguém evocou os pôsteres que decoravam as paredes dos quartos: as páginas centrais da “Playboy” e uma gigantesca imagem pornográfica que ainda estava na memória de todos. De repente, um dos quatro perguntou para os outros:

“E daí, há quanto tempo vocês não se masturbam?”

Desencadeou-se uma crise de riso que quase jogou os quatro no chão.

Quis entender a hilaridade e fui colocando perguntas. Aprendi que eles eram todos casados, pais orgulhosos, maridos amorosos e quase CASTOS. Foi uma surpresa para todos eles, pois cada um achava que, nesse departamento, seu caso fosse único: de fato, a vida sexual do mais ativo consistia numa transa mensal, os outros não tocavam nos corpos de suas companheiras havia meses e, num dos casos, havia anos.

Gostavam de suas parceiras, não sonhavam com aventuras ou amantes, mas o desejo sexual se fora. Quando? Depois do nascimento dos filhos? Numa crise do escritório que multiplicou a carga de trabalho? Durante uma longa permanência dos sogros no quarto de hóspedes? Sei lá. Aos próprios ouvidos deles, as explicações indicavam apenas ocasiões, valiam como desculpas.

A descoberta os deixou envergonhados. Nossa cultura aceita com facilidade que as mulheres não estejam a fim. Uma dor de cabeça, uma indisposição (quem sabe, anunciando a menstruação) ou mesmo uma recrudescência de pudor condizem com a feminilidade.

Para os homens, é o contrário: não estar a fim é uma falha da virilidade. Eles preferem, eventualmente, camuflar sua pouca disposição com esporros e exasperação. Se a companheira estiver indisposta, em vez de insistir amorosamente, é a ocasião de indignar-se e afastar-se, evitando assim encarar sua própria ausência de desejo.

Já foi uma figura clássica de casal: a mulher procura ostensivamente duas aspirinas na hora de ir para a cama, enquanto o marido se irrita e encontra, em sua irritação, uma desculpa para virar as costas e apagar a luz.

Hoje, aparece uma figura um pouco diferente. Cada vez mais, escuto mulheres que se queixam abertamente do pouco interesse de seus parceiros pelas “brincadeiras”. Parece que elas se cansaram de inventar mal-estares para fornecer álibis a seus companheiros. A famosa dor de cabeça estaria se tornando masculina?

Certo, muitos homens continuam contando vantagens para os amigos da esquina, deixam pairar subentendidos nas conversas sociais, compartilham comentários salazes quando cruzam com um decote generoso ou com uma saia curta e lançam olhares oblíquos e marotos ao passar por uma sex shop. Mas esses sinais aparentes de virilidade servem para levantar poeira e esconder pudicamente o desinteresse que os aflige.

Não sou o único a verificar essa recente “preguiça” dos homens. Por exemplo, num livro recente (“The Sex-Starved Marriage”, o casamento faminto de sexo), Michele Weiner Davis, terapeuta de casais americana, faz constatações parecidas, embora administre conselhos um pouco primários, desde o Viagra até passar mais tempo juntos, fazer o parceiro sentir-se importante etc. Se quisesse procurar na vida dos casais os fatores que abalam o desejo masculino, eu começaria pela infantilização: as férias em Orlando, os domingos no parque aquático e as graças de nenê em lugar de conversa (o pichuchu ainda gosta da pichachá?).

Mas a novidade é um desinteresse sexual que se situa aquém dos percalços da vida de casal. Voltemos à conversa de bar dos quatro ex-colegas de faculdade. Eles riam, perturbados, porque a pergunta sobre a masturbação juvenil lhes revelava o fato seguinte: havia tempos, eles não pensavam mais em sexo.

Ora, únicos entre os mamíferos, nós não transamos graças a estímulos simples do tipo: a fêmea está no cio e fecunda, portanto chegou a hora do desejo. Nada disso: nossa excitação depende de representações, idéias, fantasias. E as fantasias não surgem naturalmente; elas pedem um trabalho psíquico, uma dedicação, um esforço.

Talvez falte lazer para isso, mas é também possível que os homens se sintam dispensados dessa antiga tarefa por viverem, hoje, num bazar de fantasias sexuais prêt-à-porter. A cultura de massa já é nossa enciclopédia das condutas desejáveis: nela encontramos os modelos para amar, odiar, ter sucesso ou fracassar, ser heróico ou modesto. Por que não recorrer a ela para nossas necessidades sexuais?

Caricaturando apenas, a vida sexual consistiria, nesse caso, em ir para um motel cada sábado às 17h e lá, antes do “quid”, procurar inspiração no vídeo pornô do dia. Certamente economizaríamos assim o tempo (exorbitante) exigido pela elaboração e manutenção de fantasias sexuais próprias. Por que não?

Há apenas um problema: liberados do dever de fantasiar durante a semana, começaríamos a achar estranho e pesado o dever do sábado. Ir para o motel por quê? Só de pensar, já dá uma dor de cabeça…

Comentários:

A masturbação entre os homens casados, acaba sendo um dos últimos recursos, muitas vezes saudáveis, para mantê-lo conectado com seus impulsos sexuais. Se acaba se esquecendo dela, muitas vezes o faz com o sexo como um todo.

Há outros que mantém o vínculo sexual com as célebres saídas, e estes em geral não tem nada a ver com os que são mencionados na matéria. eles sim, necessitam de um acerto tácito da mulher, com quem devem conviver há anos, que os aceite assim, sem querer escarafunchar a verdade, onde vão, o que fazem qdo não estão com elas. Assim o casamento perdura sem muitos percalços.

é muito mais comum do que se imagina, e constrange muito mais também do que se imagina, tudo que tem a ver com a intimidade sexual, muitas vezes rara do casal. Isso expõe só dois, ela também, e o homem não se sente a vontade de compartilhar isso com seus pares, nem os mais íntimos, dos íntimos amigos ou parentes. Homem não fala dissso, só se for em rodas específicas para se gabarem.

O desejo sexual vai se esvaíndo, como bem descrito aí, com o programas, falta de programa, desuso, afastamentos, ressentimentos (homens estão cheios deles). Aí a insegurança toma também lugar, quando percebem que não tem a mesma potênciaque antes. Vão ficando inibidos, introvertidos, não gostam de falar sobre isso, que aliás adianta pouco, se não for para mudanças de atitudes de ambos. Recriar é preciso se quizerem preservar o vínculo, com desejo e estímulo no contato físico.

Os comentários sobre os decotes, nem sempre correspondem ao real desejo, ou libido dels. Podem ser só como uma alegoria ao que eram antigamente, ou até como uma maneira de dizerem para os outros que pensam nisso, mas não necessariamente esse pensamento é acompanhado de um estímulo físico, como outros homens imaginam. é muito comum, um achar que o outro é muito mais ativo sexualmente que ele, e na verdade é tão inativo e desenteressado que ele.

Isto tudo para não dizer que homem sem sexo, a priori está deprimido, sem estímulo vital, que é muito evidente em homens que trabalham exageradamente, para preencherem o vazio que sentem, inclusive sem nenhuma libido.

Tudo é muito mascarado, como discorro em todos meus livros.

Tags:, , ,