Pode parecer que há um prolongamento na dependência dos filhos, quando se fala do ponto de vista econômico mas por outro lado, há um distanciamento maior, emocional, propiciado pela amplitude que os canais de informação oferecem para a apresentação do que é o mundo para eles. Não é só o progenitor que oferecerá os mais importantes caminhos para esse filho se tornar um homem e essa filha uma mulher. Ele sairá por aí e receberá muito, com uma qualidade distinta ao que um vínculo paterno proporcionaria.

 

Esse distanciamento afeta a relação afetiva, a troca inexistente ou interrompida que propicia

A harmonia é possível para a mulher auto consciente, a que está em contato constante com sua essência. Só assim ela se fortalece para desempenhar todos os papéis com uma atitude integradora: fica forte e ao mesmo tempo flexível para encarar os desafios do cotidiano.

A identidade feminina deve ser formatada a partir de verdades construídas por si própria, longe dos mitos aprendidos na infância, nas imagens de filmes e da publicidade. Assim ajuda no desenvolvimento dos potenciais e tira a mulher da rota da culpa, um sentimento tão comum a elas.

A culpa

As mulheres que têm uma vida

Jornal Folha de São Paulo – janeiro/2015

O psiquiatra Luiz Cuschnir, idealizador do grupo de psicoterapia sobre gêneros no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clinicas, lembra que mesmo quem passa por um divórcio muitas vezes volta a se casar. Ele afirma que especificamente para os homens, o casamento tem impacto inclusive profissional. ” De alguma forma, o casamento os qualifica. Há estudos que mostram que homens casados ganham mais que solteiros.

 

Pais sem tempo para as demandas dos filhos nas férias precisam entender que:

– Devem se eximir de culpa: são limites da vida inclusive estão enfim ensinando a eles atitudes de responsabilidade na futura vida profissional.

– É pedagógico e um treino para procurarem ocupar o tempo sem ser só estudando e fazendo tarefas escolares. Às vezes, nesse “não fazer nada de útil” é quando surgem as novas aptidões, habilidades e interesses como música, esportes, artes em geral. Ou descobertas de assuntos que não estão dentro de um processo pedagógico tradicional como na educação não formal.

– É uma onipotência

Entrevista para Renata Pessoa                                         Site Abílio Diniz

Balanço de vida

O encerramento de um ano é um bom momento para refletirmos sobre as experiências vividas e avaliarmos as consequências positivas ou negativas que elas nos trouxeram. Esta avaliação pode mostrar quais situações proporcionaram crescimento e quais serviram para alertar sobre a necessidade de mudanças.
Algumas pessoas costumam anotar suas reflexões com as perdas e ganhos que teve. Outras, preferem avaliar as metas que se propôs a realizar, e estipular

Revista Marie Claire outubro/2014

O que torna o problema mais sutil é que nem sempre o autor do bullying é alguém perverso ou irrecuperável – e talvez nem veja sua conduta dessa maneira. Homens que cresceram assistindo a situações de abuso, como o pai cometendo grosserias com a mãe, podem assumir esse papel de abusador para não passar por isso, afirma o psiquiatra Luiz Cuschnir, autor do livro “Os Bastidores do Amor” (Alegro).

Até por motivos como esse, o quadro emocional pode ser revertido. O primeiro passo é reconhecer o problema e procurar ajuda psicológica.

Com tratamento adequado, o agressor

Revista Nova – outubro/2014

Não vamos ser hipócritas: as fotos de um cara mega gato geram muita expectativa, claro. Mas o que chama a atenção nesse estudo é como cada sexo lida com a frustração.

 
O psiquiatra e psicoterapeuta Luiz Cuschnir, autor do livro “Por Dentro da Cabeça dos Homens” (Academia/Planeta), de São Paulo diz que para os homens, esse tipo de date é muito mais “mata-mata”: eles estão, em um primeiro momento, atrás de sexo, não de um relacionamento. “A decepção de encontrar uma mulher tão diferente da fantasia que criaram gera um antagonismo mental e mobiliza,

A Tribuna

Para o psiquiatra e psicoterapeuta Luiz Cuschnir, a convivência pode ajudar a perceber se vale a pena ou não investir em um casamento com o parceiro.

Ele recomenda aos namorados que querem levar a relação para um compromisso mais sério a passarem alguns dias inteiros juntos, a fim de se conhecerem em variadas situações – e não apenas no jantar romântico, na viagem de férias ou final de semana, quando tudo é sempre bacana.

“Procure saber se ambos são compatíveis, inclusive, nas questões mais íntimas. A intimidade revela o que não é percebido antes de

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

Quem nunca idealizou seu final feliz? Um casal apaixonado que se enche de promessas e sonhos, alimenta a fantasia do “felizes para sempre”! Afinal, isso é o que todos nós desejamos. Sabemos que as relações conjugais são feitas de altos e baixos. Crises diversas acometem a felicidade e o equilíbrio do casal, e é comum que apareçam motivos que levam a esses desentendimentos resultado da administração do orçamento familiar. É fato que as diversas mudanças ocorridas no universo feminino refletiram nos papéis exercidos pelo homem e pela mulher na vida conjugal.

Artigo inédito – Luiz Cuschnir

Ninguém duvida que a televisão é o mais influente dos meios de comunicação de massa e desde algum tempo, ela tem sido objeto de estudos, especialmente nas áreas que a relacionam como fonte de influência sobre as pessoas e sobretudo, na criança.

Criança e TV formam um binômio. Uma constatação justificada por muitos fatores, grande parte deles fruto da sociedade moderna. é difícil imaginar uma casa com criança sem imaginá-la absorvida pelo mundo que desfila na tela.

Uma das mais graves distorções que a TV passa, vai se refletir no campo das emoções. Quem cresce com

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

Milhares de anos após a instituição do casamento monogâmico, um dos seus maiores preceitos morais está sendo colocado em “check” e discutido por pessoas e profissionais de vários setores. O adultério, a traição, a infidelidade…

Assim como existem vários nomes para este comportamento, existem também várias causas e conseqüências para podermos negá-lo ou justificá-lo. Alguns dizem que o adultério, em certas ocasiões, pode salvar um casamento, servindo como uma válvula de escape e descarga de tensões para que estas não cheguem a destruir a relação. Alguns profissionais que lidam com este problema diariamente, como psicólogos

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

É impressionante a rapidez com que tudo hoje em dia se desenvolve! A comunicação via satélite nos traz informações das áreas mais remotas do espaço em tempo real, a Internet nos liga com o Mundo todo em poucos segundos, aviões que percorrem distâncias com até três vezes a velocidade do som, tem até plantas trangênicas que crescem duas vezes mais rápido do que as naturais.

Toda esta velocidade já está embutida nas pessoas que estão em contato com esta tecnologia. É preciso andar logo, falar rápido, ter antes que acabe ou já esteja ultrapassado. É…

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

  • O real motivo que nos separamos delas
  • Que pensamos cobras e lagartixas da sua família
  • Que também simulamos orgasmo
  • Quantas mulheres já pegamos
  • Que já broxamos
  • Que ela está gordinha sim!
  • Que não temos coragem de pedir férias dela
  • Que ela acorda um belzebu de feia
  • O quanto ganhamos
  • Que pulamos cerca

Por que os

Artigo inédito – Luiz Cuschnir

Mulheres:

  • Confiar
  • Conviver com o modo do homem de ver o mundo (menos afetivo, mais racional)
  • Falta de sensibilidade do homem
  • Homens dependentes, passivos
  • Relacionamento sexual
  • Aceitar uma visão machista do mundo

Homens:

  • Entendimento do modo de ser de cada um
  • Falar o mesmo código (palavras mais doces)
  • Honestidade
  • Comunicar carinho
  • Gastar menos

Artigo inédito – Luiz Cuschnir

Tenho recebido muitos depoimentos de pacientes de estão desenvolvendo temas de sua vida afetiva, profissional e social. Nos casos a que estou me referindo, são homens, da faixa dos 20 e poucos anos até mais de 50. Isto quer dizer que estão discutindo comigo seus caminhos, principalmente em seus relacionamentos amorosos, interferindo ou não em como estão com seu ritmo ou qualidade de vida.

Vocês podem imaginar o que está acontecendo com eles todos, desde que mesmo através do Masculismo como uma elucidação ao entendimento da transformação da vida masculina hoje em dia, perante ao

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

As mulheres estão felizes? Tudo que é feito só em função do marido, que não tenha uma repercussão de verdade, sincera, de alma da mulher, é como uma bomba relógio: um dia explode e atinge o que estiver a sua volta.

A mulher que se dedica as tarefas domésticas somente, colocando uma carreira ou interesses pessoais de lado pode ter um casamento mais feliz, mais harmonioso. Mas não se pode afirmar que uma opção como essa, na vida de uma mulher, pode levar a um casamento feliz ou harmonioso. é possível que nos primeiros anos

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

Ao longo dos tempos, o papel do homem sofreu grandes mudanças. O que era exigido dos homens para que eles pudessem ser atraentes, principalmente para as mulheres, foi se transformando, e hoje parece que virou uma grande mistura.

Na idade da pedra, o homem era valorizado pelo seu porte físico, tinha que ser forte, ágil, viril, capaz de suportar a dor e etc… isso porque essas qualidades eram necessárias para defender e alimentar a tribo. Assim, as mulheres se interessavam mais para quem se destacasse nas batalhas e caçadas. Na idade média, surge a imagem

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

Quando escrevi o meu primeiro livro (“Masculino, como ele se vê/Feminina, como o homem vê a mulher” ed. Saraiva) iniciei com um conto sobre esta polarização. Era ainda o final da década de 80 e os homens ainda nem sonhavam em se mobilizar para atender as reivindicações delas. Este conto tratava de um homem e uma mulher que queriam estacionar seus carros em uma vaga que daria somente para um. Ele chamando-a de histérica e ela chamando-o de “não cavalheiro”. Resumindo a mulher que espera um cavalheiro, ou um homem que espera uma dama, estariam

Artigo inédito – Luiz Cuschnir

Conceitos e preconceitos nos relacionamentos

Preconceito é uma doença.

Da alma.

Pensam torto, enxergam errado.

Acham que criança não sabe nada, velho não pode ser feliz, só os moços e bonitos amam, deve-se desconfiar das pessoas, pobres são perigosos, ricos são maus.

Turva o nosso olhar e entorta a nossa alma. Nos diminui e nos emburrece.

O grande acontecimento antipreconceito: pessoas que ao invés de ficarem em casa praticam esportes em lugar de ficarem em asilos ou escondidas em casa e se preparam para Pequim na recente olimpíada no Rio de Janeiro.

Para cada um

Artigo inédito – Luiz Cuschnir

Las preconcepciones son una enfermedad.

Enfermedad del alma.

Una noción algo se tiene, ese las vueltas un concepto. Más adelante él si pone en frente qué no cabe en este concepto, y él da vuelta a una preconcepción. En el último, cuál no es dentro de un formularization, una forma (como una torta, los drenes para los bordes, y las caídas afuera, no hace más parte, deja cuál es en la oferta de la prescripción, qué fue deseada para presentar como final resultante). Uno piensa el torto, enxerga todo de una manera exagerada. No tiene

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

Depois de casados, ou mesmo por um bom tempo namorando, são freqüentes as reclamações de rotina na vida sexual. Parece que os dois já sabem de cor o que vai acontecer, não há novidades, não há motivação, muita energia é gasta na concentração para poder se chegar ao êxtase final, isso quando chega… Os dois percebem o que está acontecendo, mas preferem não falar nada, até por medo de magoar o parceiro ou a parceira.

Nessas horas muitas dúvidas se passam na cabeça:

“Será que não sou mais tão interessante?”

“Será que meu parceiro tem

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

Perdoar é caminhar através da dor.

é aprender a conviver com o imperfeito e aceitar o outro como ele é:

Um ser humano e não divino, alguém que pode pisar na bola.

Pode não cumprir o que se espera dele. Para perdoar é fundamental enxergar o outro como um todo.

é preciso separar o erro que foi cometido daquilo que é maior naquela pessoa.

Ele cometeu um erro, nao é o erro.

A capacidade de perdoar nao é um talento nato,

é uma coisa que você desenvolveao longo da vida.

Quanto mais madura a pessoa

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

Muitas vezes em um relacionamento, as pessoas sentem que estão crescendo, evoluindo em suas vidas, mas parece que o parceiro está estagnado, acomodado em uma posição passiva, como se não quisesse acompanhar este movimento evolutivo. Quando isto acontece, surgem muitas brigas, incompatibilidade de idéias e até mesmo um desinteresse crescente por parte da pessoa mais ativa. Um sentimento de solidão e frustração causa um descompasso na vida, até então, harmônica do casal.

Nesta situação, quando o amor prevalece e não se quer perder esta pessoa, é indicado voltar-se um pouco mais para o outro e

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

Hoje em dia há muitos estudos científicos para tentar compreender a “química do amor”. Quais os fatores determinantes para se escolher um parceiro? No que se baseiam estas escolhas? Existe escolha certa ou errada? Como saber se a pessoa será feliz ou não com o novo parceiro?

Para responder estas perguntas, são feitas inúmeras pesquisas, até mesmo com insetos, para se chegar a conclusões mais exatas sobre o que nos faz escolher aquela exata pessoa no meio de tantas. Como toda boa pesquisa na área da psicologia, chegou-se ao resultado de que estas escolhas dependem

Artigo Inédito – Luiz Cuschnir

Comentários sobre o artigo “Homens sem Sexo”

O artigo “Homens sem Sexo” foi publicado no jornal “Folha de São Paulo” – por Contardo Calligaris

Texto original:

“Homens sem Sexo” – Contardo Calligaris

Observei o encontro entre quatro homens de meia-idade que tinham cursado a mesma universidade e não se viam desde então. Eles lembravam nostalgicamente as bebedeiras, as conversas jogadas fora, a vida de estudante.

Alguém evocou os pôsteres que decoravam as paredes dos quartos: as páginas centrais da “Playboy” e uma gigantesca imagem pornográfica que ainda estava na memória de todos. De repente, um